Blogs do Ano - Nomeado Política, Educação e Economia

Call centers: no pior interesse dos clientes? O caso da PT/MEO

No jornal Público surge um relato chocante sobre a realidade de um call center da Portugal Telecom em Coimbra. Chocante pela forma ultra-precária e atemorizadora da forma como são tratados os funcionários (contratados indiretamente à quinzena como autêntica carne para canhão) e chocante também pela forma evidente com que, pelas instruções internas da empresas, os operadores estão proibidos de esclarecer os clientes de situações penalizadores em que as promoções e iniciativas propostas pela PT/MEO os farão incorrer. Para a empresa é sempre preferível lidar com alguns clientes que se sentem enganados se isto for a consequência de conseguir garantir a inação de uma larga maioria.

O relato da desinformação que os call centers terão promovido aquando da instalação da Televisão Digital Terrestre induzindo os potenciais clientes a subscreverem serviços pagos para continuarem a ter televisão são outro dos relatos testemunhados por operadores deste call center aos jornalistas do Público. Em cheque, com estas declarações, ficam os limites éticos de um empresa como a PT, os clientes que não estão autorizados a ser ingénuos mas antes obrigados a pensar que têm do outro lado do telefone um agente de má fé que o quer explorar e também o regulador (ou reguladores) pois num mercado regulado a vigilância das praticas comportamentais dos operadores parece deixar muito a desejar.

Eis excertos do artigo do Público com o título “”Se não estás satisfeito, a porta de saída é ali“” disponível na versão impressa de dia 11 de agosto de 2013 e com versão integral online para assinantes:

“Trabalhar num call center é viver num mundo de pobreza, instabilidade, pressões e humilhações. O centro da PT em Coimbra é descrito por muitos como “um inferno” (…)

“Para Nuno, o pior de tudo era ter de enganar os clientes. Trabalhou no enorme call center da Portugal Telecom em Coimbra, antes de vir para a Teleperformance, em Lisboa. Em Coimbra trabalhou no sector outbound (quando é o operador que faz a chamada, geralmente para vender) da MEO. “Tínhamos de dar a entender às pessoas que, se não comprassem o serviço MEO, fi cariam sem televisão, o que era mentira”, recorda Nuno, ao PÚBLICO. Era o período em que foi introduzida a Televisão Digital Terrestre (TDT). Quem não tinha qualquer serviço por cabo teria de instalar um descodifi cador para continuar a ter sinal de televisão. Não era necessário aderir ao MEO, mas os operadores só explicavam isto se o cliente o perguntasse explicitamente. As instruções que tinham eram claras quanto a isto.

Carlos ainda trabalha no call center da PT de Coimbra. Ou melhor, em teoria é empregado da Vertente Humana, uma empresa de trabalho temporário com a qual tem um contrato de 15 dias, renovável automaticamente, embora com uma curiosa modalidade de funcionamento. Carlos, que vende igualmente serviços da MEO, conta que também é obrigado a enganar os clientes. Ao contactar clientes de outras redes, aliciando-os a aderirem ao serviço M4O, tem instruções para não referir nunca que o cliente terá de mandar desbloquear o seu telemóvel, com os custos implícitos. Só se tal for perguntado explicitamente — “E eu terei de mandar desbloquear o meu telemóvel?” o operador pode confirmar. Mas se o cliente perguntar, por exemplo, “E não terei de fazer mais nada? O serviço fica logo disponível?”, o operador está proibido de lhe dizer que terá de mandar desbloquear o telemóvel. 

Se o cliente, mais tarde, se sentir enganado e protestar, o operador é penalizado. Carlos relata outro caso, que aconteceu no mês passado. Na venda do serviço M4O (que inclui chamadas grátis de telemóvel), os operadores têm instruções para nunca dizer ao cliente que, ao aderir, terá anulado todo o saldo que possa ter no Cartão Sim. Mais uma vez, só poderá dar essa informação se o cliente se lembrar de o perguntar explicitamente.

(…) Todos os que contactámos afi rmaram estar contratados por agências de trabalho temporário, e terem contratos de 15 dias. Mas eis como funciona: a meio de cada mês, o trabalhador recebe em casa uma carta de despedimento. Com alguns, isto acontece quase todos os meses, com outros, em apenas alguns meses por ano. Depende da produtividade, e eventualmente de outros factores. Carlos acaba de receber uma, registada, como sempre. (…) Chegado ao local de trabalho, no dia seguinte, o supervisor explica que a produtividade não tem sido a melhor, e que, a continuar assim, o contrato não será renovado, como a carta de resto já formaliza. “Tens 15 dias para melhorar a performance”, diz o supervisor. Será então preciso trabalhar a dobrar, para “cumprir os objectivos”. Isso significa trabalhar durante os fins-de-semana e dias de férias, e a possibilidade de fazer isso ainda é considerada um grande favor da empresa, para que o trabalhador consiga “cumprir os objectivos” e não seja despedido. (…)

Tagged under:

56 Comentários

  • Diana OliveiraResponder

    Isto está a acontecer por todo o lado e em todas as categorias profissionais, tenho conhecimento por amigos meus que estão a viver a situação na primeira pessoa que empresas chamam para entrevistas pessoas que estãoa receber o fundo de desempegro, sobretudo no ramo da construção civil, e as propostas de emprego s~~ao as seguintes: ” Você fica a receber o fundo de esemprego, e eu pago-lhe o ordenado, dou carro, telemovel computador etc, mas não lhe faço contrato de trabalho” Os meus colegas recusam porque obviamente isto é crime, e eles (supostos empregadores ) ainda ficam protegido, se acontece alguma coisa aquela pessoas, enquanto está a desempenhar funções para ele, não recairam sobre o mesmo nenhum responsabilidade porque não há vinculo absolutamente nehum, agora imaginem a quanitdade de pessoas que aceitarão estas condições porque têm falta de dinheiro e precisam mesmo de começar a trabalhar.

  • Carlos FonsecaResponder

    BEM VINDOS A PORTUGAL …onde a exploraçao e baixos ordenados seguem e somam…. enfim uma economia muito abaixo da média concerteza.. Mas a culpa é dos mentores de certas e determinadas empresas, que exploram ao limite as leis criadas, para favorecer um sistema corrupto e desonesto em benefício de alguns senhores fulanos tais…
    é abandonar este país o mais rápido possivel…

    • António M. GraçaResponder

      A situação actual não deve andar muito longe do que aconteceu neste país nos idos de 1500/1580. Depois de uma época de grande expansão e em que Lisboa se transformou em terra “de muytas e desvayradas gentes”, em que alguns enriqueceram com todas as benesses que vieram tanto das Indías quanto do Brasil, chegou a hora de pagar a factura nos anos de 1570 em diante. Alguns anos mais tarde perdeu-se a independência nacional a favor do “Reyno de Castella” e agora, tal como então, com a estreita conivência de portugueses, talvez alguns Mários, Pintos de Sousa, etc. Se mudarmos a expressão “Reyno de Castella” por Comunidade Europeia, veremos que os nomes são o menos importante, já que os traidores são sempre os mesmos. Só mudam é de nome, quando lhes convém…

  • Francisco SimoesResponder

    Concordo em absoluto.
    Esta precaridade só faz com que os clientes procurem outros operadores.
    Meu caso:
    1- Tinha um contrato efetuado em Maio/2012 de possuir um cartão 3G com acesso ilimitado.
    2- Senti que estava a pagar de mais e soube que havia uma campanha para uma redução de cerca de 50%. Alias o que estou a pagar por 3G neste momento é praticamente igual às campanhas de 4G.
    3- Estive à espera mais de 30 minutos na loja do Forum Almada para que me atendessem, e depois quando expliquei o meu problema, o operador disse-me que iria falar diretamente com o seu colega para resolver de seguida o assunto.
    Resultado: esperei mais cerca de 20 minutos, e a resposta é que o colega não estava a encontrar a promoção.
    Bom, desesperei e pedi a liquidação da conta.
    Ainda estou à espera do contato telefonico para finalizar a liquidação do contrato.
    Enfim, alguma coisa não está a correr bem, ainda bem que existe concorrência.

  • António M. GraçaResponder

    Isto não é nada comparado com a forma como os clientes são tratados pelos p’róprios funcionários da PT/MEO. Há mais de um ano que apresentei uma reclamação, por escrito, protestando a forma como fui atendido por um funcionáriop da PT/MEO da Rua da Picaria,no Porto. Exigi que fosse feito um inquérito ao dito funcionário, que dizia chamar-se José (possivelmente “do Telhado”) mas foi-me dito pela empresa que o resultado dos inquéritos é secreto, i.e.é feito ou não, que o cliente fica na mesma. Parece que a PT ainda julga que tem o monopólio da comunicações em Portugal e que é um estado dentro do Estado Português e não deve explicações a ninguém, nem sequer a quem lhes paga o ordenado ao fim do mês. É um triste exemplo de mais uma empresa Portuguesa que julga que está ainda em Março de 1974…

  • IsabelPSResponder

    Há tempos fui contactada com uma proposta da WOW e mandei vir o técnico para mudar a minha linha fixa (PT). Como vivo numa aldeia, não me parecia que tivesse sinal e, de facto, quando o senhor veio teve logo dúvidas sobre o assunto. Disse-me que, para experimentar, tinha que desligar a minha ligação mas se efectivamente não tivesse sinal teria que ser eu a repor a ligação antiga. Disse-me explicitamente que estava proibido de me dar essa informação mas que ele não achava bem e por isso a dava. Recusei, claro e assim ele deslocou-se de Santarém a perto de Tomar sem ganhar nada mas gastando combustível). Se eu tivesse feito o contracto, teria ganho 8 euros… Não pude mais do que manifestar o meu respeito e desejar-lhe que um dia destes venha a ter a justa paga da sua honestidade, sob a forma de um emprego decente, por exemplo.

  • Luis Flílipe GonçalvesResponder

    Eu trabalho no CAll Center de Lisboa das PT Sales que faz exactamente o mesmo tipo de venda que o call center de Coimbra, alias chefiados pela mesma pessoa.
    As condições são desumanas, os contratos de quinze dias são brutalmente utilizados para criar pressão nos funcionarios.Somos “convidados” a trabalhar fins de semana e feriados sem aviso previo e com a simples informação ou trabalhas ou vais para a rua.
    As regras são alteradas a toda a hora sem qualquer criterio, como exemplo no mes passado foi criada uma regra que podendo atingir o numero de vendas para o objectivo proposto se não se vendesse um determinado produto não teriamos direito ao respectivo premio de atingimento mensal.
    Teria aqui um livro para escrever sobre a forma de trabalhar da PT nestes Call Centers.
    Por isso dou a cara para denunciar estas praticas e esperar que não fique por aqui porque devemos defender a dignidade de quem trabalha nestes locais sobe estas ordens.
    Deve ser denunciada esta forma de trabalhar.

  • FAbio jorgeResponder

    Bem assim que vi isto não fiquei chocado mas tinha de vir aqui falar…A meo é sem duvida a pior das empresas a garantir serviços e depois de ver isto ainda com mais certezas fico…eu tive situações em não lembra ao diabo inclusive ter feito reclamação no livro de reclamações pois só assim consegui algo por parte deles…desde serviços activados que não aderi, desde duas facturas por mês, desde instalações mal feitas a maus atendimento(senão péssimos) nas lojas entre várias horas ao telemovel para resolverem o problema tendo inclusive situação de prolongamento de contracto mal feitos…sinceramente a ZON tem tudo para ser lider de mercado pois a MEO não vale nada como serviço…pior disto é anacom não fazer nada em relação a isto, tive 2 anos na zon sem qq problemas e qnd tive foram prestáveis, tive 2 anos na MEO e foi um inferno, não estou aqui para dar publicidade á zon mas sim para falar o mais mal possivel da MEO pois como disse um operador deles não sabia como era possivel eu ter tido tantos problemas(no mês a seguir aparece outro, ridiculo)

  • TeresaResponder

    E porque é que não denunciam isso à ACT à ANACOM e a quem de direito?
    Se começarmos a apresentar queixas às autoridades, provavelmente as coisas começam a mudar, não? Não adianta queixar da empresa à própria empresa (óbvio!. Tem que ser às autoridades fiscalizadoras. Às vezes levamos mais tempo a investigar quem sejam…mas chegamos lá!
    As mafias crescem, não em camiões transfronteiriços mas dentro de empresas que ganham milhões à custa de trabalho escravo.Eu sei que por nós e pelos nossos filhos, temos que ter o que comer…mas também, por nós e pelos nossos filho, temos que manter e ensinar-lhes a dignidade.E muitos andam a trabalhar e ser cuspidos por um pratinho de arroz…e isso os filhos também vêem… 🙁

  • António ParenteResponder

    A solução para estes problemas todos é simples. cada funcionário que seja abusado deveria ser encorajado a matar com requintes de malvadez o seu supervisor hierárquico. Pelo menos terá cama e mesa posta na prisão. As condições de trabalho até passam a ser melhores.
    E já agora porque ficar pelos cães de fila? Podia-se passar para os donos da empresa e respectiva família… Certas depravações são genéticas.

  • SergioResponder

    Sr. Fabio Jorge, se nunca teve problemas na Zon durante 2 anos pq decidiu mudar de operador? Esse capricho parece ter saido caro…

  • CláudiaResponder

    Infelizmente é o país que temos!
    Cada vez mais exploração e empobrecimento.
    Devo dizer, que no meu caso até a ACT estava feita com o advogado da empresa onde trabalhei e fui despedida por alegada extinção de posto de trabalho e onde não era a contratada mais recente. O tipo lá conseguiu reduzir 31 postos de trabalho a um só e no relatório da ACT dizerem que era a única no departamento. Para além disso, o meu salário era financiado pelo IAPMEI, para um projeto específico que terminava quase um ano depois da minha saída, no projeto dizia se o posto deixasse de existir o financiamento terminava e teriam de devolver os €€ recebidos. Mas, apesar das queixas que fiz, nada nem ninguém fez nada. Nem Tribunal de Trabalho, nem IAPMEI, nem ACT, por mais provas e relatórios apresentados, bastando sair da boca de uns fulanos em tribunal palavras de mentira, apesar das provas documentais apresentadas ao tribunal. Justiça 0 – Corruptos 1
    Triste país!

  • Ricardo Preto PachecoResponder

    Por experiencia propria, as entidades fiscalizadoras competentes sao, na sua maioria, incompetentes. E triste mas e a realidade.

  • filipeResponder

    fiz uma formação no aeroporto de lisboa,através de uma empresa de trabalho temporario e,após 6 semanas de deslocações diárias acabei a formação e cumpri os requisitos obrigatórios!! Resultado-“agora vai para casa e quando precisarmos logo ligamos…
    ainda não sei como há pessoas a defender este tipo de empresas…

  • Luis CabritaResponder

    Noto que a noticia foi publicada num jornal propriedade de um proprietário de uma empresa concorrente da PT, que dá pelo nome de Optimus. Publicidade negativa que até dá um jeitão. Gostaria também de ver clientes optimus exaltados, ou Vodafone ou ZON ou coisa que o valha, e operadores de Call-centers do outras operadoras a referirem as suas condições de trabalho nos comentários a este post.

  • Pingback:Call centers: no pior interesse dos clientes? O caso da PT/MEO | Arquivos Democracia e Dívida

  • Futuro Ex-ColaboradorResponder

    Todo o trabalho de outsourcing comercial na PT é psicologicamente debilitante. Contado ninguem acredita. Só quem passa pela experiencia percebe o que se passa dentro dos callcenters e até das lojas. Contemplam-se situações de agressoes de clientes a colaboradores que recebem 485€ e agressoes psicologicas a colaboradores que trabalham mais de 6h seguidas sem qualquer pausa e em locais com pessimas condicoes de mobiliario e termicas.

  • Enganado pela GalpOnResponder

    Estão a falar da MEO,onde as contas são das dezenas de euros? E se, aliciados pelos descontos da GalpOn passassem de uma factura de electricidade de 60-70€ para…200?!? Isso mesmo: DUZENTOS EUROS! Para o mesmo consumo, os mesmo aparelhos, as mesmas horas de uso!!! E tiveram a lata de dizer que eram as medições reais – uma delas obtida durante 1 mês em que a casa esteve fechada!!!
    Quanto ao call-center da GALP ON: não podiam fazer nada, se eu quisesse que reclamasse…à EDP, pois os contadores são da EDP. Estes operadores então…se tivessem vergonha demitiam-se!

  • PedroResponder

    Parecia uma historia dos Holmesplace no meu tempo era assim e acho que ainda e

  • JCFAResponder

    Como já trabalhei nesse ramo durante mais de 1 ano e meio tenho que concordar e discordar com o que aqui esta a ser escrito pois quem manda no callcenter de Coimbra e´ a mesma que manda em Lisboa e as directrizes ´a partida serão as mesmas, ou pelo menos deveriam ser!
    Aquando da implementação do TDT, eu NUNCA tive de mentir nem de certa forma enganar o cliente para conseguir vender o meu peixe! Nunca fui obrigado a omitir informações e comigo só aderia quem queria e sempre dei o meu próprio contacto móvel para os clientes poderem entrar em contacto comigo quando eles bem quisessem e claro desta forma também salvaguardava possíveis anulações que me iriam afectar o objectivo !!!
    Ainda apanhei esta nova campanha do M4O e era OBRIGADO a informar o cliente que iria perder o seu saldo e os seus pontos… relativamente aos TLM eu informava todos os aderentes que a base do M4O e´ a rede TMN, logo os tlms teriam que ser desbloqueados ou então teriam que renovar equipamentos!
    Sempre preferi perder um possível cliente a ficar com o peso na consciência que o tinha enganado! Sempre foi a minha forma de pensar e sempre será! Agora cabe a cada um ter brio profissional e claro também cabe ao próprio chefe de equipa averiguar essas situações! Acreditem ou não vi colegas a serem despedidos por não informarem devidamente o cliente.
    Resumindo só mente quem quer, pois um bom profissional mete tudo em pratos limpos e vai descansado para casa com o sentimento de dever comprido!
    Trabalhar neste ramo tem a suas vantagens…
    Quando se cumpre o objectivo (o que não e nada do outro mundo), em media um comunicador razoável leva para casa entre 1000€ a 1500€ (era o meu caso)… Se for realmente muito bom leva bem mais. Muitos poucos trabalhos permitem a pessoas com o 9º ano de escolaridade ao fim de 2 meses ter esse tipo de ordenado!!! Estamos a falar de ordenado mínimo + remuneração variável + tarifário e da TMN (25€) e ao fim de 6 meses ainda recebem um bónus de fidelização que acumulam desde o 1º mes!
    A nível monetário e´ bastante bom e digo quem me dera receber neste meu actual trabalho o que recebia antes de mudar pois em 1 ano tirei cerca de 15000€ limpos na conta!!!
    Sai do callcenter simplesmente por estar farto de estar sentado durante 8h a dizer repetidamente o meu nome e sempre a mesma lengalenga!
    Por sentir que não era tratado como uma pessoa, mas sim 1 numero (mas em Portugal isto cada vez mais e´ uma realidade em praticamente todas as empresas que comercializam algo). O contrato, verdade seja dita, não trazia qualquer segurança pois hoje estava a trabalhar e dentro de 1 mês poderia já estar no olho da rua (novamente esta e´ mais uma das realidades no nosso pais, pois pessoas efectivas são despedidas de 1 dia para o outro sem qualquer problema)
    Resumindo se fosse solteiro, vivesse na casa dos meus pais e não tivesse responsabilidades (casa, caro, família,etc) provavelmente ainda estaria la a trabalhar só pelo bom ordenado pois na minha área académica neste momento tiro metade do ordenado que tirava e trabalho mais!

  • JCFAResponder

    Luis Flílipe Gonçalves
    Sei muito bem do que fala e pelos vistos deve ter entrado aquando da minha saída! A pessoa que manda nos callcenter, tanto de Lisboa como de Coimbra, e´ adorada na PT pois cumpre a sua função na perfeição! Trabalhei no piso 1 e quando ele entrava sala a dentro ficava tudo em sentido. Ate os pobres chefes tremiam pois sabiam que podiam ser mandados embora! Enquanto essa pessoa não for embora naquele prédio vai continuar a ser a mesma roda viva de entra e sai comunicador!
    Para ter uma ideia ao fim de 1 ano eu já era dos mais velhos… tive dezenas, se calhar centenas de novos colegas que ou desistiam devido `a pressão ou então simplesmente recebiam a carta!
    Não me posso queixar muito dos tempos la passados pois estabilizei a minha vida a nível monetário graças aquilo, mas se algum dia tiver que voltar para la por motivos financeiros será com uma grande tristeza!

  • Sofia MarquesResponder

    Tudo o que aqui é dito é verdade. O mesmo se passa no Call Center de Sete Rios da Meo.
    Os objectivos nunca param, mesmo que o trabalhador vá de férias ou esteja doente e tenha que ficar o dia em casa, os objectivos não param o que faz com que receba a tal carta de pré-aviso de despedimento, e se não conseguir atingir os objectivos é despedido, podendo ser dado uma nova oportunidade ou não consoante o supervisor.
    Supervisor esse ( não todos ) que se esquece que está a lidar com pessoas, muitas vezes com uma formação superior (embora tal não seja relevante, pois a boa educação faz parte de qualquer ambiente de trabalho) tratando-as mal, chamando inclusive à atenção do trabalhador em maus modos que não deve falar com o colega do lado ou que não pode atender chamadas urgentes no seu telemóvel na “PA” para isso tem que sair.
    Outro aspecto é a Remuneração mensal,o trabalhador recebe o base que é extremamente pouco, mas depois tem comissões por vendas que faz, no entanto essas comissões são descontadas se o trabalhador não fizer o número de Pens requerido, ou agora recentemente ( sim porque de X em X meses resolvem acrescentar mais algo que se o trabalhador não fizer é lhe descontado) quem não fizer 2 M4O Light por mês, nem sequer recebe comissões, mesmo que tenha feito o objectivo de vendas meo estipulado pela equipa, não é despedido (sorte a do trabalhador) mas só recebe o base que é muito pouco mesmo.
    Mas isto não acaba aqui, o trabalhador ainda tem que passar pelas penalizações que lhe são dadas, com direito a despedimento imediato se atingir uma determinada percentagem, penso que será entre 20%-30%, das vendas que faz, e que o cliente desligue ou desista do serviço ( que culpa tem o trabalhador disso???!!!), no período de experimentação, com justa causa, ou termine do prazo de vinculação de 24 meses obrigatório (que ninguém percebe porque é que um cliente tem que estar vinculado a um serviço 24 meses.)
    Ao que respondem, se o cliente não quiser estar fidelizado pode não o fazer, mas tem que assumir os custos de tudo,nomeadamente da instalação e equipamento que são exorbitantes. (ridículo)
    Depois temos as Zonas ADSL Sapo e as Zonas Não Sapo. Nas zonas Sapo o cliente paga apenas o serviço que passados 3 meses fica em 20,99, nas Zonas Não sapo paga o serviço 20,99 mais o aluguer da linha de rede telefónica (9,99) MENSAl ou seja 31 euros por 4Mb!!!!, em que muitas das vezes o cliente tem apenas 300k. ( e o que a PT responde? “e têm muita sorte”.) E o vendedor sente que está a enganar o cliente mas para não ser despedido tem que fazer o seu papel e tentar vender o serviço.
    Para além das visitas ocasionais do Diretor que ouve as chamadas dos trabalhadores e se algo não estiver consoante o que pretende o trabalhador é imediatamente despedido, como aconteceu, o que fez com que mais do que 1 trabalhador fosse despedido nesse mesmo dia, e não estamos a falar de casos de má educação, estamos a falar de um mês em que houve quebra de vendas e o diretor como só vê números à frente e interessa a liderança da meo frente à Zon, (porque também é pressionado por números hierarquicamente)auditou os seus trabalhadores e procedeu a despedimentos gerando um clima de tensão e angústia junto dos outros.
    Há pessoas na Meo que trabalham das 9 da manhã à meia noite e só vão a casa mesmo para dormir, para tentarem manter o objectivo das vendas.
    Um trabalhador vende um serviço da Meo de 80 euros e recebe entre 1-4 euros por cada serviço pelo menos nas linhas Inbound.
    Isto é puro capitalismo e exploração.
    Como um trabalhador da meo disse, e muito bem, quando foi informado que vão descontar nas comissões se a equipa não fizer X de um produto que está em quebra de vendas
    ” Mas ainda temos que pagar alguma coisa para trabalhar aqui?”
    Para terminar, existem trabalhadores de Baixa psicológica deveriam de realizar um estudo sobre isso, porque não resistem à pressão.
    E quando a Pt vem dizer que é a empresa que mais contrata….devia lembrar-se que também é a empresa que mais despede. As pessoas estão ali não para viver mas para poderem sobreviver e pagar as despesas fixas mensais.

  • Sofia MarquesResponder

    E já agora o Diretor que falo é o Luis Filipe Gonçalves.

  • MariaResponder

    Da PT nem quero ouvir falar, além de não cumprirem com o contrato estabelecido, quando da instalação ainda me avariram um plasma, cujo arranjo ronda os 400 euros…. Dizem para provar que a responsabilidade é deles, mas como vou provar? Só sei que o plasma estava a funcionar e bem antes da inatalação e no dia seguinte á mesma já não funcionava… Enfim, pelos vistos, no caso da MEO o cliente nunca tem razão…

  • globalizacaoResponder

    A porra toda é que isto é o resultado directo do capitalismo, globalização, desespero e lucro a todo o custo.
    Custa-me muito ler aqui estas historias contadas na primeira pessoa.
    Mas chamo a atenção que nesta vida quase nada é barato.
    Quando estamos a comprar um qualquer produto barato made in Oriente, estamos a explorar de uma forma ainda mais grave os trabalhadores desses paises.
    A sociedade ocidental deveria ser mais criteriosa não só internamente, mas também mais atenta às condiçoes em que é produzido muito do que consome.

  • Susana SousaResponder

    Boa tarde
    O serviço é, de facto, uma vergonha. As condições de trabalho aludem a uma escravatura moderna. A pressão e falta de educação sobre os operadores é constante. O enganar os clientes é prática comum. De que forma? Mentindo? Não! Omitindo. Centenas de pessoas circunscritas a um pequeno espaço,nem sempre bem ventilado, higienização dos teclados deficientes e mais e mais e mais. Conheço algumas pessoas que lá trabalharam e não aguentaram ter de fazer despistes de problemas técnicos de, às vezes, longos minutos, quando a solução do problema poderia ser resolvida de forma mais célere. Alguém quer falar da duração das chamadas e do valor que o cliente tem de pagar por elas? E depois de passar X tempo o que importa é despachar o cliente pois os euritos das chamadas já lá cantam? Alguém informa o cliente que pode ser reembolsado pelo valor da chamada? Naaaaaaaaaaaaaa….Não convêm. Os call centers aproveitam-se do desespero que se vive no mercado de trabalho e o que se faz? NADA.

  • JCFAResponder

    Sofia Marques
    O Luis Gonçalves é um banana que não sabe de metade das historias que se passam nos callcenters dele! O Hugo Gonçalves é que é o carrasco de serviço que se for necessario, como já aconteceu pega numa lista e diz tu, tu, tu, tu, tu, tu e tu vão ser despedidos!!! tu, tu, e tu estão na corda bamba ficando apenas 1 ou 2! No fim do mes saiem uns 10 ou mais e nesse mesmo dia estão uns 20 ou 30 à porta a iniçiar nova formação! Passado algum tempo as equipas são renovadas da mesma forma!
    Com o Luis Gonçalves dava para falar e discutir os nossos problemas e dificuldades em vender, etc!!! Com o Hugo Gonçalves ninguem falava muito menos discutia! Até os chefes de equipa que enchiam o peito perante nós dizendo que na proxima reunião iam expor tudo e tal… saiam de lá como se tivessem ido a um funeral! Nem piavam.
    Como sempre disse naqueles dois primeiros pisos reina o medo, tanto dos comunicadores como dos chefes de equipa!

  • Eduarda AlmeidaResponder

    Sou cliente da actual ZON, antes Netcabo, desde 1995, quando esta era a única empresa fornecedora deste tipo de serviço. Foram muitas as situações de atrito que já mantive, são ainda algumas as que mantenho. Ao fim de quase 20 anos, estava a considerar experimentar a MEO no início do próximo ano. Depois deste artigo já não o farei. Até pode acontecer que os funcionários da ZON sejam tratados de forma análoga, até pode … mas não tendo esssa certeza, fico de consciência mais tranquila ao evitar uma empresa que comprovadamente trata os trabalhadores desta forma humilhante.

  • Isabel GarciaResponder

    Resta:
    “O QUE NÃO VOS MATA VOS TORNA MAIS FORTE”

  • Rui LopesResponder

    JCFA Não sei quem é ou quanto lhe pagaram para dizer isso. Eu trabalhei 4 anos na PT e desde que foi implementado o sistema de incentivos, acabaram-se os prémios e regalias. Quanto á situação do saldo no cartão de telemóvel, é verdade que ninguém avisa o cliente, pois quando eu alterei para M4O, não me foi informada essa situação e tanto eu como a minha mãe ficámos sem saldo, por isso, “cut the crap”, vá mentir para outro lado, de preferência para um pais onde ninguém conheça a realidade, assim é mais fácil manter a mentira.

  • Ana GomesResponder

    Infelizmente tenho que concordar com a maioria destes comentários onde se fala sobre o ambiente que se vive dentro dos call center, “é um salve-se quem puder” as empresas temporárias deveriam simplesmente serem exterminadas, as grandes empresas que se servem deste tipo de entidades deviam olhar para seres humanos em vez de números, que precisam de trabalhar para sustentar as suas famílias. Enquanto existir a ganancia e guerras de interesses irá sempre prevalecer esta forma de exploração.

  • LXLFResponder

    Sofia Marques
    Fez confusão o Director dos Call Center chama-se só Luís Gonçalves.
    JCFA
    Efectivamente esse sr. que menciona instalou um clima de medo e terror nesses dois andares e vive como um autentico ditador sem dar a mínima possibilidade de resposta ou argumentação, trata as pessoas a um nível deplorável
    Infelizmente é como diz, todos os dias encontramos á porta dezenas de pessoas desesperadas á procura de um posto de trabalho, sem saber para onde vão e com que tipo de pessoas vão lidar, nomeadamente supervisores mal preparados para cumprir a sua função sem a mínima capacidade para liderar e gerir pessoas, e um ditador que faz questão de demonstrar isso todos os dias.

  • JCFAResponder

    Rui Lopes – dedicado a si!!!
    Eu trabalhei mais de 1 ano e meio no callcenter da PTSales nos Anjos no mesmo edificio onde fica a loja da ZON. Tive contrato com a 2 empresas de trabalho temporario enquanto estive lá e as minhas condiçoes eram as mesmas que são ainda hoje lá praticadas RB + RV + TLM E + Premio de fidelização acumulado de à 6 meses atrás(tenho ainda conhecidos a trabalhar lá e ja reparei que alguns deles estão a participar neste mesmo “debate” logo se quiser e claro se eles quiserem podem confirmar o que eu disse e o que digo). Volto a dizer que naquele edificio eramos obrigados a informar os clientes da perda do saldo e dos pontos! Eramos obrigados pois a omissão dessa informação no inicio da campanha gerou muitas reclamações! Relativamente às chamadas ilimitadas e desbloqueio dos equipamentos ai se o clinete não perguntasse eu não era obrigado a dizer, mas como já referi, EU informava por brio profissional!
    Rui se trabalhou na PT sabe que em Lisboa existem muitos callcenters… onde eu estive as condições não eram as piores admito e sempre me pagaram o que eu produzia! Tive os meus conflitos e admito que a politica deles para com os comunicadores não é a mais correcta pois tentam implementar ums gestão de medo e de pura pressão (despedimento, corte das comissões por faltas, baixa medica, etc)! relativamente aos clientes já depende do comunicador pois as indicações eram claras… dizer tudo (pacote, preço, preço box, fidelizações, perda do saldo e dos pontos, etc)… acredite ou não cheguei a ver alguns a serem despedidos por mentir, fazer vendas falsas, etc. Volto a dizer que não foi dos piores trabalhos que tive na minha vida (não andava ao sol nem à chuva) e que podia até ser um bom trabalho caso a politica dos manda chuva (Luis Gonçalves e Hugo Gonçalves)fosse a mais correcta para com os trabalhadores!
    Para finalizar carissimo Rui Lopes eu não tenho necessidade de mentir pois já nem trabalho lá e muito honestamente não tenho vontade nenhuma de voltar, mesmo que tenha algumas saudades do ordenado!!!!

  • JoãoResponder

    Fui pioneiro da linha de apoio mais especializada do MEO, em Carnide. Era tão ou tão pouco especializada (3ª linha) que só falava com técnicos de rua e/ou “colegas” das vendas, nunca com clientes. A ignorância dos “colegas” das vendas com que me deparei era gritante em termos de informação, mas só se pode culpar a PT por isso. Durante quase um ano, nunca tive contrato com a PT, mas sim com empresas de trabalho temporário. Não posso dizer que fui mal-tratado alguma vez, mais que não seja porque a PT, na altura, precisava mais de bons técnicos que os bons técnicos precisavam da PT. Entretanto, mudou tudo para a Estefânia, onde agora qualquer tosco é um “técnico”. Isto são manobras simples: primeiro contrata-se quem é realmente bom; depois, faz-se com que quem seja realmente bom dê formação aos nabos para desenrascarem o serviço, e por fim, quando os técnicos realmente bons se cansam da má gestão (o meu serviço era gerido por uma Técnica de Recursos Humanos, que percebe tanto de Gpon ou outras tecnologias como eu percebo de Árabe), de mentiras ou de fracos pagamentos, saem ou são despedidos e ficam os desenrascadores de serviço entregues à bicharada.
    Em um ano, tive 3 contratos diferentes, e neste momento são quinzenais. Depois, estranham que a PT engane o povinho e, melhor ainda, que tenha mais de 230 milhões de euros de lucro num ano.
    Quanto à forma da PT tratar dos seus “colaboradores” (só o termo é uma vergonha de merda), não é novidade: vi assédios sexuais, ameaças físicas e psicológicas constantes, chicos-espertos a trepar graças a queixas sobre os colegas e outras infelicidades de má formação pessoal, etc. É uma selva repleta de bestas, nada de novo.

  • anonimo@Responder

    boa noite!
    já há alguns anos que audito chamadas de campanhas outbound/inbound, desde os callcenter de Coimbra aos de Lisboa. E posso afirmar que penalizo/ou não, os comunicadores com base na informação de perda de saldo/pontos, pur de sms e chamadas, desbloqueio de equipamento e fidelização a oop. Actualmente qualquer comunicador que faça referencia a estes pontos é penalizado o comunicador nuca deve em qualquer instância referenciar estes ponto, só se o cliente perguntar explicitamente, segundo a politica da empresa ” o cliente é que deve estar informado” assim como o valor da box ou ofertas associadas a este equipamento, ou seja não se refere o valor da meo box. Numa primeira fase realmente quem nao referisse estes pontos era penalizado , mas há coisa de 2/3 meses inverteu o comunicador não pode referenciar.
    nesse sentido o artigo está actual
    boa noite a todos e boas vendas 😉

  • JCFAResponder

    anonimo@
    Obrigado por confirmar o que tinha dito! No meu tempo (4 ou 5 meses atrás) éramos obrigados!!!

  • pibcResponder

    Boa noite a todos…
    Hoje em dia não estamos seguros em lado nenhum. Até um funcionário com 20 anos de casa é despedido de um dia para o outro… Contratos de 15 dias? Qual é o problema? se fores um bom profissional, não te despedem nem te “ameaçam”… Se conseguires cumprir a tua obrigação durante as oito horas de trabalho e durante os 22 dias de trabalho ninguém te obriga a ir trabalhar os sábados nem os feriados…E os contratos de 15 dias também servem para este tipo de pessoas frustradas se puderem despedir, ou só sabem roer? A realidade é que pressão existe e bastante, mas em qualquer empresa isso existe umas mais e outras menos, agora resta a nós sabermos lidar com tal situação… Para falar mal toda gente fala, mas hoje em dia ninguém se lembra de um facto muito importante para nós trabalhadores, a nível de pagamento a PT paga a “dia e a horas” aos anos que lá estou nunca me falharam… E agora meninos? Quantas empresas se podem dar ao luxo de pagar a “dia e a horas” aos seus trabalhadores….? E também vos deixo com algo para pensarem será que esses indevidos eram assim tão perfeitos tão profissionais? Se assim o fossem falavam diretamente com os seus superiores e não vinham lavar roupa suja para estes sítios…Nenhuma empresa de telecomunicações é perfeita nem meo nem zon nem cabovisão… NENHUMA… mas eu continuo a preferir o que é PORTUGUÊS… Cada cabeça sua sentença… BOA NOITE

    • Ana GomesResponder

      Senhor pibc só tenho algo a dizer-lhe … o senhor deve estar muito mal informado, ou então simplesmente nunca trabalhou num call center !!!
      Onde existem muitos jogos de interesses, amigo do amigo, os afilhados, os padrinhos, grandes tachos!! Pressão??? Aquele que todos os dias luta, chega antes da hora, sai depois da hora, tenta tudo para que o cliente não fique sem o serviço(net, tv, stf). Fala com meio mundo para não deixar o cliente (ou empresa) cancelar os serviços que tem, se por ventura o cliente quer desistir, vai pedir ajuda a um superior e ouve a resposta ” ele( cliente) que desista estão mais 1000 para entrar como clientes”. E sabe o que acontece com uma restruturação do departamento: o tal “colaborador” ou “colaboradores” que deram tudo por tudo, vestem a camisola pela empresa? são dos primeiros a serem escolhidos para irem para o desemprego!! o senhor não venha com falsos moralismos.. Obviamente que nenhuma empresa é perfeita, mas as empresas são feitas por Pessoas e para Pessoas!!

    • JCFAResponder

      pibc
      Tem familia para sustentar? Pela sua conversa não deve ter!
      Vou divir a minha resposta por pontos para ser mais facil o seu entendimento.
      1- é diferente ser despedido de uma empresa onde trabalha e está efectivo do que ser dispensado pois não lhe renovam o contrato.
      2- contartos de 15 não trazem descanso a ninguem pois está sempre a pensar “e se for despedido?”. Mais, se quiser comprar casa, carro, etc… fazer algum credito dificilmente lhe vai ser aprovado devido ao seu contrato.
      3- por muito que venda nunca se vai livrar das anulações e quando começam a cair é complicado! Ainda me lembro de ter colegas a vender mais de 60 pontos por mes e de estarem aflitos para atingir os minimos olimpicos que são os 30 pontos! A taxa de anulação é muito importante e por muito bom que seja o vendedor nunca vai conseguir evitar que o cliente desista ou por lhe quererem furar as paredes ou passar cabos pela casa toda!
      4- em relação ao pagar a tempo e horas concordo consigo, mas meu amigo era um esacandalo aparecer uma noticia na TV a dizer que a PT não estava a pagar os ordenados a quem lhes enche o bandulho com milhoes!
      5- falar com os supervisores? LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL
      o meu antigo supervisor começava a tremer quando entrava o Hugo Gonçalves e se o mesmo fosse “falar com ele” até vermelho ficava! O unico supervisor que sei que o enfrentou foi despedido… os outros até se borram! Fala com o seu supervisor e ele concorda consigo e diz que tem razão, mas depois sai dali e já vai concordar com as altas patentes pois tem medo de perder o seu sustento!

  • MeiraResponder

    O artigo não é dos melhores, mas tenho esperança que seja um pontapé de saída para descortinar algumas situações até agora desconhecidas… É certo que a realidade das vendas (Inbond, Oubond e lojas) está a mudar… Esse foi o principal motivo que me levou a despir a camisola que vesti (e com muito orgulho) durante 5 anos… Quanto à realidade do TDT, na altura que eu la trabalhei isso não acontecia… Mas acontecia, por exemplo argumentar na venda da BLM que a mesma estaria disponível em Roaming, e poucos sabem o absurdo valor que custa (e isso não era informado ao cliente)!!! Quando experimentei a realidade das lojas, identifiquei-me com muitas das coisas que refere o artigo… Vi colegas a serem coagidos a trabalhar ao fim de semana, e parece que era a empresa que lhes estava a prestar o favor de os deixar trabalhar horas extra não remuneradas… Foi-me dito, por uma engenheira responsável por algumas lojas MEO TMN na zona norte, funcionariazinha direta da PT, para levar contratos para casa e pedir aos vizinhos para assinarem, porque o que interessava era haver papeis assinados, o resto nós teríamos que saber o que fazer… No meu caso, consegui com um pouco de sorte mudar de emprego… Mas ainda hoje me revolta saber que existem pessoas que se tem que sujeitar a estas situações, a ficarem com fama de ladroes e mentirosos, para manter um reles emprego e puder sustentar a familia (e os pançudos diretos que nada fazem!)… Acreditei muito nesta empresa, vesti a camisola como poucos o fizeram, e custou-me muito ver no que isto se está a tornar… Hoje, se lá trabalha-se, estaria longe de ser motivo de orgulho.
    Quanto ao dinheiro, sim pode-se ganhar muito dinheiro, de duas formas… A enganar as pessoas, ou apontar-lhes uma arma na cabeça e obriga-los a assinar contratos!… Depois ainda temos que ouvir chefezinhos a dizer que só não ganhamos dinheiro porque não queremos… Para esses seres, nós não passávamos de druidas que tinham por obrigação passar 24 horas a ligar a pessoas e a bater as portas para vender…

  • pibcResponder

    D. Ana Gomes eu trabalho no call center ha 4 anos se calhar tenho mais experiencia do que a senhora… jogos de interesse sempre ouve aqui e em qualquer lugar… afilhados tb… Eu como bom profissional que sou nunca passei por ameaças eu seja lá o que for… Certamente que a D. Ana não trabalha ou não trabalhou onde eu estou… Eu sou vendedor… E deixo bem claro que eu só posso falar por mim… Não vou falar mal nem bem pk o vizinho falou… Quando eu me sentir mal sou o primeiro a tomar as devidas medidas para me despedir… Agora vos garanto uma coisa enquanto a PT me der dinheiro a ganhar e eu me aguentar… eu la estarei a desempenhar as minhas funções como tenho tenho sido até hoje sempre um bom profissional …

  • NFFResponder

    Por razões que se prendem com a segurança neste trabalho, identifico-me assim.
    Corroboro com quem apresenta aqui alguns indícios desta gestão de serviço num call center.
    A culpa, na verdade, é de todos: aqueles que são “colaboradores” (odeio o termo, como alguns aqui) e aqueles que levam o emprego de forma séria.
    Trabalho num desses sítios, nessa tal área técnica que tem os “desenrascas do serviço”. E é como tudo: tem pessoas boas e pessoas más. Acontece porém que as más estão a prevalecer.
    E os relatos aqui expressam isso: má gestão, ameaças e sobretudo um clima de insegurança.
    Considero que sou avaliado de forma muito má (embora a ideia de avaliação seja boa, é má colocada em prática), pois a minha performance está sempre dependente de outros (técnicos que não querem trabalhar, malta PT que não se interessa pelos outsourcing).
    E isto nunca terá outra forma de expressão pois quem tiver a ousadia de publicamente indicar casos será “chamado à atenção”.
    Concordo com o pagamento a tempo e horas (em 4 anos só me faltaram em 3 meses, embora isso tenha sido responsabilidade da empresa de trabalho temporário).
    E isso é que é importante frisar: a pessoa em questão trabalha para uma determinada firma, não tem qualquer relação com o produto (não usufruo de quaisquer desconto sobre um serviço triple play quando tenho comigo pessoas PT que não pagam nada e ainda reclamam) e ainda é chamada à atenção “pois não está a identificar-se com a empresa”.
    Podem achar que é falsa modéstia, mas muito brio profissional tenho eu quando gosto de resolver as coisas sabendo que tenho muito mais vontade em ouvir um “obrigado” do outro lado da linha e ser penalizado porque não tratei por “Sra Dª” (termo ultrapassadíssimo) do que um tipo que está ao meu lado, trabalha à 20 anos para a empresa na qual eu presto serviço e ainda não se digna a efectuar qualquer contacto de conforto para com quem lhe paga o serviço.
    Quando um outsourcing está mais relacionado com a marca do que um interino que tem uma série de relações com a marca, o resultado poderá ter sempre estas coisas que aqui referimos.
    Peço que não me levem a mal pelo anonimato e respeito todas as opiniões aqui expressadas.

  • pibcResponder

    JCFA
    sim tenho família (2 filhos menores.. respondo-lhe a isso mesmo não lhe dizendo respeito)
    Vou dividir a minha resposta por pontos para ser mais fácil o seu entendimento…
    1,2 – Hoje em dia para puder ter um credito aprovado tem que ter muitos anos de casa e um bom fiador… ( eu fiz um credito para comprar a minha casa e o que me safou foi o fiador isto aconteceu a dois anos onde já trabalhava na PT a dois anos e tb o meu irs tb ajudou.
    3- As anulações são e sempre serão o “carma” dos vendedores, graças ao meu esforço do meu trabalho em 4 anos de vendas nunca fiquei abaixo dos 100%.
    4- Claro que sim até no final de cada ano a pt despede todos os colaboradores mas tb paga todos os nossos direitos… até a data de hoje nunca ficou a dever nada a ninguém ( pelo menos que eu tenha conhecimento).
    5- quando tenho algum problema sim falo primeiro com o meu supervisor se ele por sua vez me conseguir resolver tudo bem, se não me resolver nada quer ele diga que eu tenha razão ou não vou falar diretamente com os superiores dele nisso não tenho problema nem medo e digo-lhe se todos tomassem esta atitude hoje em dia não haveria tantos colaboradores ou ex-colaboradores insatisfeitos…
    Em qualquer tipo de trabalho vamos nos deparar com situações iguais ou idênticas ao que acontece na pt cabe-nos a nós tentar dar a voltaa situação… E atenção quero deixar bem claro que não digo isto para defender a pt até porque eles não precisam de mim para esse serviço…
    Só falo é da minha situação atual e o que se passa comigo ao longo destes 4 anos que lá trabalho nada mais.
    Esclarecido caro amigo pibc? Espero que sim

  • Ana GomesResponder

    Senhor pibc a si não tenho mais nada a dizer, como o senhor diz e muito bem é Vendedor!!! Passe um bom dia.

  • EnigmatikResponder

    Trabalhei durante vários anos no call center PT de Beja em regime de part-time e efectivamente o que se pretende nestes serviços não é competencia nem profissionalismo, nem experiencia.
    A incompetencia e o erro são bons para a PT porque criam receita.
    Não se quer experiencia, mas a quantidade de procedimentos e aplicações tornam um bom profissional inexperiente incompetente.
    O clima é de medo e por melhor que se seja no serviço é-se sempre péssimo.
    percariedade e sofrimento é o que é promovido.
    Anteriormente a gestão era PT Contact e os assistentes contratos por empresas de trabalho temporário, o que era mau. Actualmente a gestão é toda outsorcing por empresas de trabalho temporário e a PT Contact é só cliente, ou seja, ainda é pior.
    Ameaças de despedimento, precariedade, retirada de rendimentos variáveis de forma desonesta, repercussões quando se reclama falhas no vencimento.
    Enfim, o pior lugar em que já trabalhei na vida.
    Atender o cliene é o melhor, este paga um serviço e deve ser esclarecido sobre os serviços que contrata e paga, mas infelizmente as PT não vê as coisas dessa forma, não dá valor ao servço de apoio ao cliente, tanto que os call centers são geridos por outsorcing e não directamente pela PT.
    Monopolios e falta de ética seja por colaboradores de call center,s eja por clientes é o que é.
    Ainda à uns tempos deu em reportagem no canal 1 sobre isto, e na reportagem a PT indicou que não comentava entrevistas de sub-contratados, isto demonstra o total desprezo por estes trabalhadores. e ainda por cima, as duas pessoas foram logo despedidas, assim que o público se esuqeceu da reportagem.
    Grande merda de local de trabalho é o que é.

    • António M. GraçaResponder

      É por estas e por outras que a PT/MEO é uma associação de criminosos, capitaneada pelo milionário Bava,que se está marimbando para os seus clientes. O mesmo se passa com as ANACOM, Defesa do Consumidor,etc., outros cancros estatais só para que os “boys” e seus amigos, que a única competência conhecida é ter um cartão do partido, possam no meio de um país de incompetentes ter um lugar ao sol. E então é esta gente que, tal como o PCP e os rasquícios de esquerda, se dão ao desplante de dizer que o Dr. António Oliveira Salazar é que era fascista.Esta canalha, naquele tempo não durava nem uma semana e lá iam passar umas feriazitas ao Tarrafal o que lhes faria muito bem. Vejam como o Marocas engordou quando lá esteve !

  • tiagolemospeixotoResponder

    O que falta aqui acrescentar é que os termos e serviços são muitas vezes encartilhados. Ou seja, embora a reportagem saia no Público, parte do Grupo Sonae, e mencione ostensivamente a MEO, esquece-se convenientemente que em muitos casos o grupo Sonae recorre exactamente aos mesmos contratadores, exactamente nas mesmas condições, exactamente com as mesmas mentiras. Aliás, em particular nas operadoras de telecomunicações, a cartelização é flagrante e constante, e não era caso raro uma das operadoras lançar um tarifário de manhã que era igualado, com exactamente as mesmas condições e serviços, por todos os membros da concorrência.
    Isto para o lado do cliente, para o lado do funcionário, há a precariedade e a certeza de que mente para ganhar a vida em situações de exploração flagrante. Fui funcionário da contact, empresa do grupo Espírito Santo, que providenciava serviços de atendimento telefónico para vários bancos, e que tinha, paredes meias quase, as operações telefónicas das redes móveis da Optimus e da vodafone. Todo o tipo de pressões mencionadas acima são reais e generalizadas. O mais trágico é que quem acha que se protege ou aos trabalhadores mudando de operadora, que leia os contratos a ver se não são passados a papel químico, ou mesmo se as reclamações não serão depois atendidas… precisamente pelo mesmo funcionário, que entretanto ou foi despedido, ou mudado para outra operação.

  • CristinaResponder

    sugeria aos funcionarios que fizessem um e-mail “proform” e enviassem a todos os potencias clientes antes de assumirem qualquer acordo com a empresa a denunciar as exploraçoes a que estão sujeitos,e informem todos os potenciais candidatos do que se passa lá dentro. No processo muitos vão desistir de certeza. se não se unirem,nao denunciarem e não lutarem as coisas nunca vão mudar. As autoridades competentes nunca vão fazer nada para defender nem clientes nem funcionarios.Já que a cabeça está a prémio ,que a percam a lutar…caramba são gente nova …lutem contra a escravatura

  • Gloria camachoResponder

    Eu conheço uma pessoa que infelizmente ainda não se conseguiu livrar de uma depressão profunda, por ter trabalhado durante vários anos em variados call center, de várias operadoras. Não é só a PT. No meu caso pessoal, quando tive que resolver situações que não concordava, a que eu acho pior é o Grupo Sonae.

  • AnaResponder

    Trabalhei num callcenter da PT e tinha contrato com a ManPower, empresa pela quando não tenho qualquer respeito, pois nunca fui tratada da melhor forma.
    Dou um exemplo muito prático: quando o motivo de contacto do cliente era uma avaria, tinha de fingir que estava a ajudar o cliente para, no tempo de espera pela resolução do problema, abordarmos serviços e tentarmos vender ao máximo. Quando a venda (ou não venda) estava concluída pedíamos desculpa ao cliente e, depois de tanto tempo perdido, solicitávamos que o cliente ligasse para a linha paga de avarias.
    Fui também muitas vezes chamada à atenção por não tentar vender internet a velhotes que me informavam à partida que não tinham computador.
    Presenciei várias humilhações, faltas de educação e muitas outras coisas… Desde de uma chefia que não se preocupava minimamente com as condições de trabalho a supervisores que roubavam vendas para dar a operadores da sua equipa e, assim, aumentarem o seu desempenho. Enfim… Se todas as situações que se vivenciam num callcenter da PT fossem denunciadas a PT e as empresas de trabalho temporário estavam em muito mais lençóis…

  • temporario precárioResponder

    Querem passar pelo callcenter do Porto e Santo Tirso? A situação é identica.

  • AnaResponder

    Peço desculpa, mas tenho de me corrigir. Disse que a empresa que trabalhava ao serviço da PT era a Manpower mas na realidade era a TempoTeam.

  • Tás Logado?Responder

    Amanhã pode ser VOCÊ, seu familiar ou amigo a ter que trabalharnum callcenter em Portugal!
    Nós LOGIN’s, Teleoperadores de Callcenter, vivemos sob pressão, sofremos abusos, recebemos baixos salários, somos ameaçados com despedimento para atingir objetivos irreais e ouvirmos reclamações de clientes, que muitas vezes têm toda a razão para tal.
    Urge assegurar a devida participação de todos os colegas de call centers em Portugal, sem medo de represálias, a fim de criar estruturas representativas dos trabalhadores e,
    em particular, dos sindicatos em todos os processos
    que envolvam o emprego e as
    condições de trabalho.
    https://www.facebook.com/groups/taslogado/
    Desde já 50.000 trabalhadores portugueses de Callcenters sem Sindicato nem legilslação agradecem o vosso apoio na divulgação e contributo direto com orientação jurídica para os Callcenters respeitarem os direitos básicos do trabalhador, enquanto seres humanos.
    Facebook
    https://www.facebook.com/TasLogadoLx

  • mcallResponder

    bem.
    sabia que o universo dos callcenters não era famoso mas… consegue ser pior.
    mas só para acrescentar, como trabalho frente a um e estranhamente começo aperceber “talvez” a gravidade da situação. e que -/+ todos os meses esta uma ambulância do inem para assistir alguém… 🙂
    quem tenha poder para consultar as visitas do inem a callcenter tera certamente um infeliz descoberta.
    sem mais
    e com muito respeito a vocês que por vezes me aturam do outro lado.

    • António M. GraçaResponder

      A PT/MEO tem o pior serviço que conheço em operadoras de serviços. Além de arrogantes, são malcriados, não ligam nada a quem lhes paga o ordenado e quando os seus próprios empregados são incorrectos e se faz uma queixa por escrito, não só a não confirmam como se dão ao luxo ( pelo menos é o que dizem, se é que o fazem ) de abrir um inquérito interno cujo o resultado, por norma interna, nunca é comunicado ao reclamante. Mas que raio de maneira de resolver os conflitos com os clientes…

  • SilviaResponder

    Esta imprensa realmente anda muito ladrona roba do povo para pagar a publicidade de Cristiano Ronaldo Ontem por muita falta de sorte carreguei meu numero errado carreguei um número que era uma banda larga me derigir a loja e quando chego faço as merdas exigidas pela a merda da empresa me pedem o nib dizendo que iam passar o dinheiro para minha conta hoje liga um funcionário lógico depois que carreguei o telefone novamente dizendo que se eu nao colocasse o dinheiro no telefone ficava sem o dinheiro . Agora gostaria de saber se estes ladroes tem algum repeito pelos seus clientes e a poir empresa que ja vir sem falar nas pessoas que estavam lar fazendo reclamações sao uns ladrões na minha casa graças a deus sou da zon e digo tenho muitos amigos que tem Vodfone e adizem que e uma maravilha. No atendimento e tudo mais. Expero que a meo entre para debaixo de sete palmos que fique bem encerrada estes v
    igaristas ordinário odeio esta empresa a poior de todo sempre.

Deixe um comentário

O seu email não vai ser publicado.