Crédito Consolidado: Guia para juntar vários créditos numa única mensalidade

Os créditos pessoais podem ser, simultaneamente, uma preciosa ferramenta que ajudam os consumidores a suprir necessidades prementes de financiamento e a transformarem sonhos em realidade, como um peso que pode ameaçar a sua saúde financeira.

Quando a segunda parte ganha à primeira, isto é, quando o pagamento das prestações mensais decorrentes dos créditos contratualizados ameaçam tornar-se incomportáveis para o orçamento das famílias, é sinal de que deve ponderar a consolidação de créditos.

E porquê consolidar créditos? Porque optar por um crédito consolidado vai permitir ao consumidor juntar vários créditos em apenas um, com uma taxa de juro mais baixa que a média de todos os créditos que possui ficando apenas com uma única prestação, perante uma única instituição de crédito.

Guia passo a passo para aderir ao Crédito Consolidado

Se se encontra nesta situação e está a ponderar optar por um crédito consolidado para juntar vários créditos numa única mensalidade, siga o guia que criamos para si:

1º passo: Calcular a sua taxa de esforço

Antes de partir para a consolidação de créditos, a primeira coisa que tem de fazer é perceber em que ponto se encontra a sua taxa de esforço. Se esta taxa ultrapassar os 50%, valor de referência estipulado pelo Banco de Portugal, será sinal de que os seus encargos com o pagamento das suas prestações de crédito estão a ameaçar a sua liquidez.

Para proceder ao cálculo da sua taxa de esforço tem de seguir esta fórmula: Encargos financeiros com as prestações de crédito / Rendimento Líquido Total do Agregado x 100

2º passo: Comparar propostas de crédito consolidado

Com a sua taxa de esforço em mãos, deve saber que a consolidação de créditos é bastante abrangente e pode aplicar-se a créditos pessoais (automóvel, consumo, hipotecário, etc.), créditos contraídos através de cartões de crédito e linhas de crédito e créditos hipotecários.

Contudo, há que ter em atenção que se pretende fazer um crédito consolidado com crédito habitação, a sua habitação vai ter que sofrer uma nova avaliação para perceber se valorizou e se existe margem no valor para introduzir os outros créditos.

Se já tiver amortizado parte do seu crédito habitação poderá também existir a possibilidade de juntar outros créditos. No entanto, em nenhuma destas opções o valor total a consolidar deve exceder 80% do valor do imóvel.

Com esta informação, o passo seguinte deve passar por uma pesquisa e análise detalhada das várias propostas de crédito consolidado existentes no mercado fazendo uso dos simuladores de crédito consolidado que, por norma, as instituições de crédito colocam ao seu dispor no seu site.

Para conseguir chegar a uma proposta que seja satisfatória em função das suas necessidades de poupança, terá que ter em consideração vários aspetos associados aos créditos. Entre os quais, os mais importantes são: 

  • Os prazos: o simulador dar-lhe-á a possibilidade de calcular o prazo em que terá de pagar o seu crédito consolidado. Por norma, os prazos de pagamento de um crédito consolidado variam entre 24 e 84 meses, contudo, tenha sempre em mente que prazos mais alargados significam, quase sempre, o pagamento de mais juros, mas também prestações mensais mais baixas.
  • As taxas de juro (TAN e TAEG): estas duas siglas são importantíssimas no cálculo da mensalidade do seu crédito consolidado, uma vez que estas taxas de juro são o custo do dinheiro, isto é, este será o valor que o banco vai lucrar quando lhe emprestar dinheiro.

Enquanto a TAN (Taxa Anual Nominal) é uma taxa de juro anual que resulta da soma do Spread com o Indexante (taxa de juro Euribor, por norma), a TAEG (Taxa Anual de Encargos Efetiva Global) permite-lhe perceber, antecipadamente, os encargos que terá com o crédito que pretende contrair, dado que a TAEG inclui todos os custos que terá com o empréstimo pessoal e poderá ser por si utilizada para comparar diferentes propostas de crédito.

Para propostas de crédito com o mesmo montante, prazo e modalidade de reembolso, a proposta com TAEG mais baixa é a mais barata para o cliente. Entre outras coisas, a TAEG vai pormenorizar quanto vai pagar de juros, impostos, comissões, despesas associadas ao contrato de crédito ou seguros.

3º passo: Contratualização do crédito consolidado – caso prático

Com a digitalização da maior parte dos serviços bancários, onde se inclui a contratualização de créditos consolidados, é possível que, após a simulação, possa passar imediatamente para a contratualização.

Para percebermos melhor como é que isto se processa, recorremos ao caso da Joana e do Tomás, casal que tem em mãos quatro créditos que lhe estão a drenar o orçamento mensal. No total, este casal soma já 41 mil euros em dívida decorrente dos créditos contraídos e prestações mensais no valor total de 1200 euros.

O rendimento líquido total da Joana e do Tomás é de 1900 euros, valor que em conjunto com os créditos a pagar representa para o casal uma taxa de esforço de 63,1%.

Esta taxa ultrapassa, largamente, o valor de referência do Banco de Portugal (50%) levando-os a ponderar contratualizar um crédito consolidado.

Na pesquisa que efetuam online através dos seus smartphones, o casal acaba por entrar na página de crédito consolidado do UNIBANCO.

Com um simples clique, o casal entra na página de crédito consolidado do UNIBANCO onde, de imediato, encontra um simulador de crédito consolidado que lhe vai permitir calcular o valor de mensalidade para valores de empréstimo que vão dos 5 mil aos 75 mil euros e prazos de reembolso entre 24 e 84 meses.

Apesar de poderem pedir mais dinheiro do que os 41 mil euros que têm em dívida relativo aos créditos pessoais contraídos, o casal opta por pedir o montante exato para amortizar o valor em dívida e pagá-lo em 84 meses. Para essas premissas, o simulador dá-lhes uma prestação mensal de 709,28 euros, valor que implica que a taxa de esforço da família irá passar a ser de:

Taxa de Esforço com o crédito consolidado UNIBANCO

709,28/1900 X 100 = 37,3%

Como se pode observar, ao contraírem um crédito consolidado UNIBANCO, este casal vai poder diminuir a sua taxa de esforço em quase 50%, o que lhes vai garantir uma folga orçamental assinalável no final do mês, e tudo de forma completamente online, já que, como assinalamos, o UNIBANCO garante uma adesão 100% digital aos seus serviços.

Após a submissão online do pedido de crédito consolidado, o UNIBANCO irá proceder à análise do perfil financeiro do casal Joana e Tomás e da viabilidade do crédito. Aprovado o crédito, será procedida à liquidação dos créditos por parte do UNIBANCO.

Se eles tivessem pedido um financiamento extra, isto é, se em vez dos 41 mil euros tivessem pedido, por exemplo, 50 mil euros, o UNIBANCO teria, a par da liquidação dos créditos anteriores, enviado os 9 mil euros extra para a conta do casal.

A simulação apresentada diz respeito a um financiamento de €41.000 a pagar em 84 mensalidades de €709,28. TAN 10,900% e TAEG 12,9%. MTIC €60.662,52.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *