Importações com a maior queda desde janeiro 2015

Importações com a maior queda desde janeiro 2015

A forte queda das importações de bens no trimestre terminado em abril de 2016 (-7,3%) associada a uma queda muito menor nas exportações (-2,5%) contribuíram para um maior equilíbrio da balança comercial em abril interrompendo a degradação que se vinha registando nos quatro meses anteriores.

Em termos monetários, o défice da balança comercial de bens diminuiu € 277 milhões entre abril de 2015 e abril de 2016. Desde fevereiro de 2015 que a balança comercial não registava uma melhoria tão significativa (à data melhorou em €326 milhões).

PUB

Considerando o trimestre terminado em abril o ritmo de queda das exportações (-1,8%) é praticamente equivalente ao das importações (-1,4%).

 

Importações com a maior queda desde janeiro 2015

Segundo o INE, as diminuição das importações em 7,3% em termos homólogos no mês de abril (-0,6% em março de 2016) justificou-se, essencialmente pelo comportamento ao nível extra-comunitário onde a queda registado se fixou nos -23,7%. No mês de março tinha-se apurado um incremento de +1,1%.

Terão os combustíveis justificado esta evolução nas exportações e importações?

Sobre este facto o INE acrescenta que, sem combustíveis, de facto, as exportações teriam aumentado em 1,2% enquanto as importações praticamente teriam estagnado (-0,4%) em termos homólogos. No final a taxa de cobertura também teria melhorado.

Segundo o INE, “desde junho de 2015 as exportações e importações excluindo os Combustíveis e lubrificantes registaram crescimentos superiores ao da totalidade das exportações e importações. Este diferencial de evolução retrata em grande medida o impacto da redução dos preços relativos dos Combustíveis e lubrificantes

 

Balança Comercial no 1º trimestre revista em alta

Importações com a maior queda desde janeiro 2015Na publicação das Estatísticas do Comércio Internacional  de abril de 2016 o INE revela um conjunto de revisões importantes tanto ao nível das exportações como das importações relativas ao primeiro trimestre de 2016. Assim, as importações terão crescido menos do que o inicialmente registado (menos duas décimas) enquanto as exportações caíram menos 3 décimas do que inicialmente estimado. O efeito combinado concorre no mesmo sentido, ou seja, o primeiro trimestre não teve um desequilíbrio da balança de bens tão importante quanto foi indicado numa primeira estimativa.

Para mais detalhes consulte as Estatísticas do Comércio Internacional.

PUB

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.