Taxa efetiva de IRS: contribuintes vão ser informados com a nota de liquidação

A divulgação, na nota de liquidação do IRS, da taxa efetiva de IRS de cada contribuinte é aquilo a que poderemos chamar, de facto, uma novidade do IRS de 2022.

Esta novidade é algo que só surpreende por tardia. Porque é que nunca foi indicada antes, tal é o ruído criado tantas e tantas vezes para obter a simpatia dos contribuintes mais incautos e desconhecedores por parte de políticos menos escrupulosos que apresentam realidades alternativas quanto às reais taxas de imposto e escalões do IRS?

Como já aqui explicámos no passado, o IRS é tributado numa lógica de escalões de rendimento, havendo um mínimo de existência (que pode ser majorado para famílias numerosas, por exemplo) que está isento de IRS que corresponde a 14 X 1,5 vezes o Indexante dos Apoios Sociais ou IAS e que nunca poderá ser inferior a 14 vezes o salário mínimo nacional.

Taxas marginais, taxas médias e a taxa que interessa: a taxa efetiva de IRS

O rendimento que supere o mínimo de existência e não esteja coberto por outras deduções que aqui não vamos detalhar, irá pagar imposto de acordo com o esquema de escalões com taxas marginais diferenciadas.

Os escalões dividirão o rendimento por fatias aplicando-se às fatias de rendimennto mais elevado, taxas marginais mais elevadas, taxas que sobem assim progressivamente.

Ou seja, pegando nos escalões IRS 2022, e retirada já a dedução específica/mínimo de existência de rendimento que está isento e sobre o qual nenhum contribuinte paga IRS, quem tiver um rendimento coletável suficientemente elevado poderá pagar até 9 taxas marginais de impostos, cada uma para cada fatia.

Por exemplo, quem tenha um redimento coletável de €75.000 não irá pagar 45,05% de IRS (taxa marginal do último escalão) como por vezes se diz.

Na realidade, poderemos falar de uma taxa média de 36,8% sobre o rendimento coletável (total de impostos pago a dividir pelo rendimento coletável) pois o seu rendimento irá ser tributado por taxas progressivamente mais altas (que começam no zero) até chegar à do 8º escalão, à qual a Autoridade Tributária impõe, de facto, 45,05% do rendimento compreendido entre os €48.044 e os €75.009.

E, note-se, estes 36,8% de taxa média não são ainda a taxa efetiva, ou seja, a taxa efetiva (impostos pago sobre o rendimento antes de impostos) será ainda menor, desde logo porque há uma fatia isenta (que para rendimentos de 2022 será de €9.870 e para rendimentos de 2021 será de €9.315,01). Por outro lado, se o contribuinte residir num dos municípios que devolver a sua participação no IRS (devolução que pode variar entre os 0 a 5 pontos percentuais de IRS), a taxa efetiva será ainda mais baixa.

Em suma, nem a taxa marginal estatutária de IRS do último escalão (ver tabela) em que o contribuinte ainda tem rendimento, nem sequer a taxa média que apura o peso do imposto sobre o rendimento coletável, revelam a taxa real de IRS que o Estado arrecada do seu rendimento. Para conhecer esse número, é necessário apurar a taxa efetiva.

A taxa efetiva de imposto, de IRS, no caso, (quanto pesa o imposto no total do rendimento auferido num ano) poderá ser muito diferente, sendo sempre significativamente inferior, quer à taxa marginal do escalão mais alto aplicável ao rendimento de cada contribuinte, quer à taxa média.

A partir de 2022, quando os contribuintes receberem a nota de liquidação, seja ela conducente a um reembolso ou a um pagamento adicional, ficarão a saber, sem margem para dúvidas, qual a taxa de IRS com que efetivamente contribuiram com os seus rendimentos de 2021.

Uma prática que, acreditamos, uma vez instituída, dificilmente será interrompida.

Consulta aqui os prazos do IRS 2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.