Análise às Projeções para a Economia Portuguesa até 2017

Projeções para a economia portuguesa até 2017

O Banco de Portugal acaba de divulgar a revisão das suas projeções para a Economia Portuguesa até 2017 (pdf). Segundo o Banco de Portugal, em virtude de uma aceleração esperada da procura interna fomentada exclusivamente pelo consumo privado, o Produto Interno Bruto (PIB) nacional em 2015 poderá registar um crescimento superior ao anteriormente esperado. Na realidade, aos 1,5% de crescimento esperando em dezembro de 2014, o Banco de Portugal agora soma duas décimas de ponto percentual esperando assim que o PIB cresça 1,7%, quase o dobro do registado em 2014.

Particularmente significativo é que apesar deste aumento esperado para o PIB, as projeções para o investimento (FBCF) são agora menos otimistas (de 4,2% para 4,0%) não se tendo alterando a expectativa quanto ao contributo do consumo público que se mantém negativo nos 0,5%.
Nas projeções do Banco de Portugal agora divulgadas, relativas a 2015, é algo bizarro o que surge nas revisões para as exportações, importações e saldo da Balança de Bens e Serviços. A Balança de Bens e Serviço é agora apresentada como sendo mais positiva do que o esperado em dezembro de 2014 (passou de 2,5% do PIB para 2,7%) mas as importações, que têm praticamente o mesmo peso que as exportações, aumentaram 8 décimas enquanto as exportações apenas uma.  Sendo a Balança Comercial o resultado da diferença entre exportações e importações parece uma impossibilidade matemática que a evolução das parcelas esteja correta face à evolução do resultado do saldo ou vice-versa.
Para 2016 e 2017, o Banco de Portugal prevê uma escalada continuada rumo a ritmos de crescimento do PIB mais elevados, esperando que em 2017 se atinjam os 2%. A esperança do Banco é que ao longo destes anos esse crescimento venha a centrar-se mais numa retoma do investimento, no consumo público e num aumento da componente não importada das exportações do que no consumo privado que deverá desacelerar.

Projeções para a economia portuguesa até 2017

Projeções para a economia portuguesa até 2017
Fonte: Banco de Portugal

Note-se que o Banco de Portugal alterou radicalmente a definição de Procura Interna e de Exportações que usa para calcular o contributo para o crescimento do PIB pelo que os dados não são comparáveis com o passado. O resultado final dessa alteração é agora defender que há um contributo muito menor da procura interna do que das exportações. Como é isso possível? Aparentemente por via de uma diferença no peso das componentes importadas que suportam uma e outra parcela. O Banco de Portugal, em nota de rodapé, remete o leitor para um artigo do próprio Banco de junho de 2014.

Quanto a outras variáveis destaca-se a evolução da inflação que deverá ser marginalmente positiva em 2015 subindo depois para 1,1% em 2016 e 2017.

Últimas notas para o cenário macroeconómico que o Banco de Portugal usou para fazer estas projeções. Uma das variáveis, a evolução da euribor a 3 meses, destaca-se por se esperar que se mantenha em valores muito baixos durante todo o período: entre os 0,1% e os 0,2%.

O mesmo se passa com o câmbio euro-dólar que o Banco aposta se mantenha próximo dos 1,14, um pouco acima da cotação atual. Quanto ao preço do petróleo, a expectativa é que este vá subindo tanto medido em dólares como em euros mas nunca atingindo os valores de 2014. Espera-se que em 2017 custe €62,3 contra os €74,4 de 2014.

Tagged under:

3 Comments

Deixar uma resposta