Contribuição para a ADSE pode chegar aos 3,5%: pode evita-la saindo do sistema

Desde 2010 que qualquer beneficiário da ADSE pode sair da ADSE do sistema deixando de poder beneficiar do mesmo e, consequentemente, deixando de o pagar. De então para cá a contribuição para a ADSE não tem parado de aumentar sendo expectável que dentro de poucos dias seja anunciado novo aumento que deverá levar a contribuição anual para os 3% ou 3,5% do salário bruto de cada trabalhador. Destaque-se que o governo avançou ontem que será necessário uma contribuição de 3,5% para que a ADSE seja sustentável e que o objetivo da sustentatibilidade previsto para 2016 teria de ser antecipado.

Exemplo prático:

Imaginando um funcionário público com salário bruto de €2000, em 2014 perderá 12% por via do corte salarial (que era de 3,5% em 2013) ao qual acrescerá até 3,5% da ADSE (era de 2,25% em 2013). No final do ano, este funcionário público pode acabar a pagar só para a ADSE um total de €980. Ora este valor para um seguro de saúde pode muito bem ser considerado excessivo e incentivar o beneficiário a sair do sistema passando a valer-se do Serviço Nacional de Saúde e/ou de outro contrato de seguro mais económico. Tudo dependerá de factores como a idade, benefício esperado, no fundo, do custo de oportunidade associado ao serviço sendo que o esmagamento salarial e a falta de rendimento disponível podem também ter um papel fulcral na tomada de decisão.Desistir da ADSE pode, neste exemplo, representar um acréscimo de rendimento disponível mensal da ordem dos €81 (a ADSE é descontada sobre 14 salários). Um dos factores que pode condicionar a saída, além dos referidos, será a existência ou não de vários beneficiários (familiares) associados à mesma contribuição feita. Em todo o caso, os incentivos para a “fuga” estão a aumentar.

Recorde-se que a ADSE funciona como um seguro de saúde que dá acesso a uma rede de servidores contratados, tipicamente privados, ainda que também contribua para sustentar, em parte, o próprio Serviço Nacional de Saúde. Note-se que os integrantes da ADSE têm uma contribuição equivalente à dos não integrantes acrescendo o custo da ADSE à taxa social única. Sendo certo que, em tese, podem beneficiar do mesmo sistema de saúde  do regime geral da segurança social, na prática, recorrem habitualmente ao sub-sistema.

Se os incentivos à fuga da ADSE forem suficientemente relevantes com este aumento das contribuições, é natural esperar grandes desafios para o Serviço Nacional de Saúde que poderá assistir a um afluxo significativo de novos utentes de pleno direito.

ADENDA: Este artigo foi inspirado numa discussão no Facebook de que o Pedro Pita Barros deu aqui mais algumas notas: “sair da ADSE é possível? é!“.

ADENDA II:  No Relatório de Atividade de 2012 da ADSE, na página 20, pode ler-se:

“Com a alteração introduzida ao Decreto-Lei 118/83, pela Lei do OE/2010 (Lei nº3-B/2010, de 28 de Abril) todos os beneficiários titulares da ADSE, incluindo os inscritos anteriormente a 1 de janeiro de 2006, passaram a poder renunciar à sua inscrição, sendo esta definitiva. “

27 comentários em “Contribuição para a ADSE pode chegar aos 3,5%: pode evita-la saindo do sistema”

  1. Estes senhores (como o Sr. Américo) têm um ódio aos func. publicos (FP)incrível!!!Esquecem que a maioria dos FP ganham 500 a 600 euros, mas depois há médicos que ganham 3000 a 6000 euros, enfermeiros que ganham 1100 a 3000 euros, diretores que ganham 5000 a 10000 euros, etc. O povo, que trabalha no duro, que toma conta dos seu filhos na escola, que limpa as instalações, que é cantoneiro, serralheiro, carpinteiro, etc. etc., ganha, Sr. Américo, 500 a 600 euros e leva para casa menos de 500 euros!!! Isto é a verdade dos FP (esses FP filhos da….. como o Sr. pensa!!!)

    Responder
  2. Como seria bom se todos os Funcionários Públicos ganhassem 1.000€
    Quem ouve os politicos parece que os salarios dos F.p. são um espetaculo.
    E o povinho ignorante a acreditar…

    Responder
  3. Como seria bom que todos os funcionários públicos ganhassem 1.000€.
    Não devem saber que existem F. Públicos a ganhar cerca de 600€.
    Mas para não aumentar o IVA (que sou contra a mais aumento de impostos)mas neste caso mais uma vez f….. os F. Publicos.

    Responder
  4. Agora, os Fun publicos são coitadinhos, isso é que era bom.
    deixo o seguinte recado. deixem de olhar apenas para o vosso umbigo e experimentem trabalhar no privado, principalmente no Norte com a mentalidade dos pequenos empresarios para ver o que é bom, se é ser fP ou trabalhador do privado.
    Coitadinhos dos FP que ganham 500 ou 600€ e os do privado? com salarios em média de 600€ e não têm ADSE, se querem fazem seguro e papam em média 60€ anuais e quando pagamos as consultas pagamos 15 ou 20€ ao contrario dos3€ que os FP pagam. Pois é minha gente, a mama acabou, se não estão contentes, mudem- se é o que acontece no privado.

    Responder
  5. A inveja a nivelar tudo por baixo. Já viram que não aparece aqui ninguém a querer que os outros fiquem melhor? Só surge mentalidade: não se queixem que há quem esteja pior, vejam no norte, vejam os que recebem €500, vejas os que estão desempregados. Ora como há sempre alguém mais miserável do que o miserável que conhecemos, vamos todos ficando cada vez… pior.
    Pode ser que um dia nos lembremos de esperar para os outros o que queremos para nós.

    Responder
  6. Se os funcionários públicos falarem com todas as seguradoras, garantidamente que nenhuma faz um seguro com as mega coberturas da adse por menos de 500€ mensais…. É um seguro milionário que todos temos que pagar aos FP e à família toda que também tem direito….

    Responder
  7. Já trabalhei no privado e sempre disse que não gostava da atitude de muitos funcionários públicos em muitos serviços e hoje trabalho na função pública e continuo a ter a mesma opinião mas isso não invalida que acho uma tremenda injustiça o que está a acontecer sou daquelas que tem um ordenado de aprox. 700 euros e quem diz que fomos uma classe privilegiada não sabe o que diz porque também há muita injustiça no privado e pelo menos muitos até têm um sistema de avaliação anual que até serve para alguma coisa, no nosso caso temos um horário a cumprir, ter um desempeno que raramente chega a excelente porque isso é só para as “cunhas”, trabalhar mais de 8horas, mesmo antes da alteração da lei, e todos os meses temos menos dinheiro…Isto é algum privilégio?Quem está no privado experimente vir para a função pública…Só fala quem não conhece as duas realidades!

    Responder
  8. Aconselho os privados a deixarem-se de invejas e a pagar um Seguro tal como os funcionários.públicos, Esquecem-se estes senhores do privado que além do desconto para a ADSE ainda descontamos para a CGA? Quantos descontos têm os senhores do privado? Apenas um desconto. Então está na hora de deixar as invejas e pagarem um Seguro de Saúde. Tão simples quanto isto!

    Responder
  9. Olá Ana Horta,
    Não sabes o que dizes, os Privados descontam 11% para a seg social+ irs com uma tabela superior á dos F P. Se não sabes verifica. A tabela está disponivel para todos.
    Quanto á ADSE é um privilegio, só desconta quem quer e mais é um seguro fantastico.
    Nenhum seguro do privado se iguala a esse, para termos um parecido não pagamos ao seguro 2.5% ou os eventuais 3.5% do salario Bruto.
    Portanto, o desconto para a ADSE não conta menina Ana Paula Horta, pois é uma regalia que os trabalhadores do Privado não Têm e certamente se tivessemos escolha, também o tinhamos.
    Para o Sr. João, parece-me estar fora da realidade portuguesa. Muitos funcionarios do privado estudaram e muito e não tem esses salarios pois não é tabelado como na FP.
    Isto acabava muito facilmente- Privado = publico- mesma tabela salarial, mesmos beneficios e mesmas obrigações.
    Aqui não há inveja pelos FP. Existem é determinadas beneficios que os FP foram adquirindo que na realidade actual estão desasjustados.

    Responder
  10. A TODOS OS COMENTARISTAS PAPAGAIOS!…DEIXEM-SE DESSES COMENTÁRIOS QUE SÓ FAZEM INIMIGOS.
    VOÇÊS, SÓ FALAM DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS E PRIVADOS E ESQUECEM-SE DE FALAR NOS VENCIMENTOS MILIONÁRIOS DOS POLÍTICOS, DOS POLÍTICOS QUE PAGARAM OU NÃO 9 ANOS DE DESCONTOS E FICARAM COM UMA REFORMA MILIONÁRIA, DOS GESTORES, DE PRESIDENTES DE BANCOS CGD ETC ETC ETC. A GANHA
    REM MILHÕES MENSAIS COM POUCOS ANOS DE DESCONTOS. EU E TODOS OS QUE ADERIRAM À CGAP DESCONTÁMOS AS IMPORTÃNCIAS OBRIGATÓRIAS EM CONFORMIDADE COM O QUE SE RECEBIA. SE A CGAP E A CAIXA PRIVADA ESTÃO DEFICITÁRIAS, NÃO É POR CULPA DE QUEM PAGOU MAS SIM DOS MILHÓES DESCON TADOS QUE EM VEZ DE SEREM DEPOSITADOS NO SITIO PRÓPRIO,TEREM SIDO “DESVIADOS” PARA OUTROS CAMINHOS QUE NÃO OS PRÓPRIOS.

    Responder
  11. Sra. Susana:

    Todos os trabalhadores em funções públicas descontam 11% para a CGA ou S. Social.
    A tabela de IRS é igual à dos privados. Não era igual em anos anteriores devido ao corte nos subsidios de natal e de férias. Se não recebe 14 remunerações por ano não podia ter uma taxa de IRS igual.

    Responder
  12. O ZÉ PORTUGA É BANANA MESMO!!!! SOMOS TODOS UNS O´TARIOS QUE EM VEZ DE NOS REVOLTARMOS CONTRA A CORJA DE GATUNOS E FIL..D…PU…QUE ESTAO NA ASSEMBLEIA A MAMAR 4000EUR E POR AÍ ADIANTE,ESTAMOS A CRITICAR OS FUNCIONARIOS PUBLICOS!! QUE EU SAIBA OS CONCURSOS QUANDO ABREM SAO PARA TODOS!!! E NO PRIVADO OS GESTORES E DIRECTORES DAS EMPRESAS QUE PAGAM MAL E A MAS HORAS(FALO POR MIM) MAS TEEM UM GANDA CARRO E MAMAM 3500EUR MES…..DEIXEM-SE DE TRETAS,TEMOS É K NOS UNIR E DE 1 VEZ POR TODAS ACABAR COM ESSA CORJA NO NOSSO PAIS!!!MAS……COMO DIGO SOMOS UNS BANANAS……NUM PAIS ONDE ESTIVE 3 ANOS POR MUITO MENOS ARDEU TUDOS E OS POLITICOS FUGIRAM PARA PAISESVISINHOS SE NÃO ERAM QUEIMADOS VIVOS,HJ ESSE PAIS CRESCE 2 A 3% ANO, VEEM COMO OS K FORAM PRA LÁ APRENDERAM!!!!

    Responder
  13. O povo portugues é assim, ficam contentes pelos funcionários publicos estarem a perder direitos em vez de lutarmos por ter os mesmos direitos que os funcionarios publicos , assim não vamos longe!!

    Responder
  14. Aos que estão contra do FP, relato a minha experiência. Fui FP durante 23 anos e mudei para a privada, pois os descontos, cortes salariais, congelamentos na progressão na carreira fizeram-me repensar a minha vida profissional. Hoje ganho substancialmente mais do que ganhava há dois anos, e afirmo com conhecimento de causa que os descontos que faço não são maiores do que na FP. Acresce o facto de o meu rendimento ser proporcional à minha produtividade, situação que não sucedia na FP. A questão fundamental é o profissionalismo de cada um e quem não deve não teme. Quem se sente mal na privada mude para a FP,mas não aconselho. Abraço a todos.

    Responder

Deixar uma resposta