Inflação em forte desaceleração – Junho de 2017

Entre maio e junho de 2017, a variação homóloga dos preços no consumidor desacelerou muito significativamente de 1,5% para 0,9%. O INE refere a desaceleração da subida de preços nos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas e a queda nos preços dos produtos energético como as principais justificações para a evolução registada no índice de preços no consumidor.

 

Inflação em forte desaceleração em várias classes de despesa

Para se ter uma ideia da magnitude da alteração dos preços nestas classes de despesa entre maio e junho vale a pena reter as palavras do INE:

“O agregado relativo aos produtos alimentares não transformados registou uma variação homóloga de 0,2% em junho (3,1% em maio), enquanto o índice referente aos produtos energéticos apresentou uma taxa de variação de -0,2% (1,8% no mês anterior).”

Uma análise mais detalhada, oferecida pelo próprio INE, permite contudo verificar que também nas classes de despesas relativas Comunicações, Restaurantes e Hotéis e Transportes, os preços evoluir no sentido de provocar a forte desaceleração identificada.

Inflação em forte desaceleração - Junho de 2017
Inflação em forte desaceleração – Junho de 2017
Fonte: INE

Com esta nova observação homóloga, ainda assim superior à observação que sai do indicador que é atualizado mensalmente, a variação média dos últimos doze meses passou de 1,0% no ano terminado em maio, para 1,1% no ano terminado em junho.

O INE informa ainda que:

“O indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) registou uma variação homóloga de 1,1%, menos 0,1 pontos percentuais (p.p.) que no mês anterior.”

GOSTOU DO QUE LEU?
Então não perca nenhum dos nossos artigos.
Receba um EMAIL diário com os resumos:

Deixar uma resposta