Da impotência da UE e os ratings: “Não queremos pena, queremos justiça.”

A ler na integral o editorial de hoje de Pedro Santos Guerreiro “You bastards” ou “You bastards (English version)“, se preferir.

Um excerto:

” (…) As causas do corte do “rating” não fazem sentido: a dificuldade de reduzir o défice, a necessidade de mais dinheiro e a dificuldade de regressar aos mercados em 2013 estão a ser atacadas pelo Governo. Pelo País. Este corte de “rating” não diagnostica, precipita essas condenações. Portugal até está fora dos mercados, merecia tempo para descolar da Grécia. Seis meses, um ano.

Só que não é uma questão de tempo, é uma questão de lucro, é uma guerra de poder. Esta decisão tem consequências graves e imediatas. Não apenas porque o Estado fica mais longe de regressar aos mercados. Mas porque muitos investidores venderão muitos activos portugueses. Porque é preciso reforçar colaterais das nossas dívidas. Porque hoje todos os nossos activos se desvalorizam. As nossas empresas, bancos, tudo hoje vale menos que ontem. Numa altura de privatizações. De testes de “stress”. Já dei para o peditório da ingenuidade: não há coincidências. Hoje milhares de investidores que andaram a “shortar” acções e dívidas portuguesas estão ricos. Comprar as EDP e REN será mais barato. Não estamos em saldos, estamos a ser saldados. Salteados.

Portugal foi um indómito louco, atirou-se para um precipício, agarrou-se à corda que lhe atiraram. Está a trepar com todas as forças, lúcido e humilde como só alguém que se arruína fica lúcido e humilde. Veio a Moody’s, cuspiu para o chão e disse: subir a corda é difícil – e portanto cortou a corda. 

Tudo isto não é por causa de Portugal, é por causa da guerra entre os EUA e a Europa, é por causa dos lucros dos accionistas privados e nunca escrutinados das “rating”. (…)”

A ler também, no Der Spiegel: “Europe Seeks to Free Itself from Rating Agencies’ Grip“. Um excerto:

” The “Big Three” credit rating agencies can determine the fate of entire countries, by deciding whether they are creditworthy or not. Now Portugal is under pressure after Moody’s downgraded its debt to junk status. European politicians want to create an alternative, even though they helped give so much power to the agencies in the first place (…)”

Tagged under:

Deixar uma resposta