Preços do petróleo, um problema de contas

Ontem escrevi que o preço médio do petróleo (Brent e WTI) está claramente abaixo em 2007 quando comparado com o preço médio de igual período do ano anterior, concretamente: o preço médio do Brent medido em Euros caiu 8,7% face a igual periodo de 2006 e o do WTI caiu 12,2%.

Hoje leio no Jornal de Negócios (JNeg) que:

" (…) nas bolsas os combustíveis já subiram mais de 20% este ano para valores recorde, nas bombas abastecer o carro ficou 7% mais caro e também é de esperar preços máximos.(…)"

Como é esta divergência possível? As contas que surgem no JNeg comparam dois ponto no tempo, os preços de ontem ou de ante-ontem com o valor do último dia de transacção em 2006. Pelo menos é o que me parece pois as contas assim feitas batem certo com a base de dados a que recorri (EIA e BdP).

O problema com as fotografias é conhecido, tipicamente são mais pobres que os filmes quando o objectivo é contar uma história. Quando calculamos uma média vemos o filme que mesmo assim terá os seus problemas – a fila na sala em que o vemos altera a percepção que dele temos, por exemplo. Quando comparamos pontos, só olhamos para um fotograma. Contudo, as duas coisas são compatíveis, convém é termos a percepção que agitar uma fotografia à frente dos olhos não é o mesmo que estar a olhar para um filme. Assim sendo, não temos problema absolutamente nenhum.

Até mesmo o aumento dos combustíveis (aparentemente muito abaixo do aumento das matérias primas) referido na notícia tem a sua lógica. Mais uma vez estaremos a comparar o preço dos combustíveis de hoje com o registado em 31 de Dezembro de 2006. Contudo, sendo os preços que vemos nas bombas formados por médias de curto prazo (algo como o valor médio das últimas semanas nos mercados internacionais) é natural que não transmitam variações tão extremadas determinadas tendo por base a comparação entre apenas dois dias que terá sido o que foi feito para chegar aos 20% de aumento quanto aos preços das matérias primas. Ou seja, se para as matérias primas (o Brent por exemplo) pegássemos no preço médio das últimas semanas e o comparássemos com o preço médio das mesmas semanas do ano anterior, provavelmente chegariamos a uma variação bem mais próxima dos 7% do que dos 20. Alguém quer fazer as contas? 

O desafio adicional que aqui lanço é o do que apurar tal como fiz ontem, o preço médio dos combustíveis no consumidor final ao longo dos primeiros 9 meses de 2007 e compará-lo com os 9 meses do ano 2006. Estes números serão (quase) directamente comparáveis com os aqui apurados ontem e poderão permitir-nos apurar se os preços das gasolineiras têm respeitado grosso modo o andamento dos preços nos mercados internacionais.

Como curiosidade, e em jeito de apresentação de um acto do grande filme, o INE, no destaque sobre o índice de preços no consumidor divulgado há minutos, informa que, por exemplo, a classe de despesa "Transportes", onde se incuem os gastos com combustíveis, teve um contributo homólogo negativo face a Agosto de 2006, ou seja, os custos com transportes estiveram em Agosto de 2007 abaixo dos havidos em Agosto do ano anterior.

Um comentário sobre “Preços do petróleo, um problema de contas

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.