Qual a conta base mais barata janeiro de 2015 (revisto)

Voltamos ao tema da conta base que já aqui abordámos em dezembro de 2014 (ver “Custo de nova conta base passa para €61,8 no maior banco português em 2015“) e em janeiro de 2015 (ver “Conta-base ou conta de serviços mínimos bancários?“), artigos que entretanto foram revistos, para apresentar uma breve análise sobre a oferta disponível agora que são já vários os bancos que a oferecem, nomeadamente para identificar a conta base mais barata janeiro de 2015.

Antes de mais destacamos um desalinhamento entre o que é a recomendação do Banco de Portugal para uma conta base padrão e o que está a ser oferecido, pelo menos por alguns bancos. Referimo-nos concretamente à indicação dada pelo Banco de Portugal que entre os serviços padrão estará, e citamos, a “Titularidade de um cartão de débito por cada titular da conta“. Apesar de não haver grande margem para dúvida nesta frase, o que se encontra na oferta bancária é distinto dado que, por exemplo, na Caixa Geral de Depósitos se refere que a conta base inclui: “1 cartão de débito Caixautomática Electron / Maestro com anuidade gratuita (a 1 dos titulares da Conta Base)”. Prática que os restantes três bancos que, de momento, oferecem este produto, também seguem. Ou seja, não há lugar à titularidade de um cartão por titular. Uma matéria provavelmente para alinhar entre o Banco de Portugal e os bancos comerciais.

Mas qual a conta base mais barata em janeiro de 2015?

Dos quatro bancos que já têm este produto disponível destaca-se a conta do Banco BIC como tendo, de longe, o custo anual mais baixo (€25/ano). Contudo, a conta do BIC é também a que exige o maior valor mínimo de constituição havendo dois bancos que não exigem qualquer valor mínimo (BCP e Caixa Agrícola). A CGD apresenta o segundo preço mais baixo.

Eis a tabela resumo que pode encontrar com mais detalhes no ficheiro excel sobre a Conta Base.

Custos da Conta Base (com imposto de selo)
Banco Mensal Anual Minimo de abertura
BIC € 2,1 € 25,0 € 250
CGD € 5,2 € 62,4 € 100
Caixa Agrícola € 6,2 € 74,3 € 0
BCP € 6,2 € 74,9 € 0

Tagged under:

3 Comentários

  • Henrique Silva Responder

    Diz o povo e com razão que o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita. No que se refere à Conta Base verifica-se a sabedoria popular no vosso caso.
    A questão da atribuição de um único cartão de débito incluído no preço da Conta Base (não invalida a atribuição de mais mas sujeitos ao respetivo preçário) foi a seu tempo entendido como razoável face aos objetivos da Conta Base. Os pressupostos em que se baseiam as caracteristicas da Conta Base agora comercializadas pelos diversos Bancos são do conhecimento do Banco de Portugal. Não há desalinhamento apenas um aperfeiçoamento do que era a recomendação (recomendação, não obrigação) inicial e que visa tornar viável a relação custo/beneficio destas contas.
    Quanto aos preços, recomendar-se-ia uma revisão dos conceitos da aritmética mais básica: 1% do salário mínimo nacional não é 63€. Seria excelente porque significaria que o ordenado minimo nacional seria 6.300€ mas infelizmente não chegámos lá ainda. Ou então o Economia & Finanças tem informação privilegiada…
    Repito a sugestão feita no meu comentário à noticia anterior. Informem-se antes de informar!

    • Mapari Responder

      Salário Mínimo Nacional na realidade até é superior a €6300. É de €7070. Mas agradeço-lhe o reparo e a oportunidade para melhorar o artigo, ainda que o seu reparo tenha menos utilidade do que podia pois parece-nos que investiu mais na jocosidade e menos na informação. O nosso erro resultou da fonte que consultámos (um banco comercial), não sublinhar que a referência para a comissão ANUAL era o salário mínimo nacional MENSAL. E nesse caso a comissão máxima será de facto €5,05 + imposto de selo.
      Quanto ao resto pelo que percebi o Henrique não disputa nada do que se afirma pois factualmente tudo bate certo. Sobre o Banco de Portugal, em nenhum momento falamos de obrigação, referimos recomendação se tiver a bondade de ler condignamente o que escrevemos. O que o Henrique faz é acrescentar informação (privilegiada?) de que o Banco de Portugal cedeu e não fará questão de transformar a recomendação em obrigação mesmo após constatar que todos os bancos ignoram a recomendação de que cada titular tenha um cartão de débito sem acréscimo de custo. Como no Economia e Finanças não temos informação privilegiada juntamos o que é público e sublinhamos a divergência. Para todos os efeitos, quem a 8 de janeiro de 2015 visitar o sítio do Banco de Portugal, ler as características recomendadas e não cuidar de ler com muita atenção as FIN dos bancos vai ter uma surpresa no final do mês quando lhe cobrarem à parte um extra pelos cartões adicionais dos restantes titulares da conta. É para evitar que isso não aconteça com os nossos leitores que aqui deixamos esse alerta.
      Um ano exclamativo para si.
      Cumprimentos.

  • afc94 Responder

    Não entendo o pq. de se mostrar só os valores mensais destes bancos…pois existe outros bancos com contas com menor valor mensal…logo tb. anual…e tb. não dizem (estes bancos apresentados) se para estes valores se têm que ter algum tipo de produto ou acordo…?

Deixar uma resposta