Diferença entre taxa cobrada e taxa paga pelos bancos atinge os 2,97 p.p. – junho 2015

A diferença entre a taxa de juro cobrada pelo bancos em novos empréstimos e a taxa de juro que os mesmo pagam aos aforradores que constituam novos depósitos a prazo atingiu em junho de 2015 os 2,97 p.p. segundo dados recentes do Banco Central Europeu analisados pelo GEE do Ministério da Economia. Este diferencial é mais elevado, por exemplo, do que o registado em Espanha e em Itália (2,13% e 0,85% respetivamente).

A taxa de juro de novos depósitos a prazo a mais de um ano desceu novamente em junho (cerca de 0,1 pontos percentuais ou p.p.) fixando-se nos 0,62%. Quanto à taxa de juro de novos empréstimos (maturidade até um ano) quedou-se, em média, pelos 3,59%, ainda assim um valor significativamente mais baixo do que o registado no mês imediatamente anterior (3,82%). Em junho esta mesma taxa de juro foi de 2,66% em Espanha e de 1,61 na Alemanha, o que atesta para a existência e manutenção de uma forte fragamentação do mercado, persistindo diferenças muito significativas nas condições de acesso ao crédito e, consequentemente, de competitividade por parte de empresas e famílias de diferentes países de uma mesma união monetária.

Note-se que a taxa de juro média dos novos empréstimos resulta da conjugação de realidades bem distintas visíveis quando desagregamos a informação. De facto, a taxa de juro de novos empréstimos com montantes até €0,25 milhões foi, em média, de 4,49% enquanto a taxa de juro média de novos empréstimo acima de € 1 milhão foi de 2,95%. A nota positiva é que entre maio e junho todas as taxas de juro diminuíram.

Se procura conhecer as melhores taxas de juro de depósitos a prazo do momento, superando os valores médios aqui apresentados recomendamos que consulte a nossa base de dados de Depósitos a Prazo que abrange a maior parte da oferta no mercado português e que atualizamos regularmente.

Tagged under:

Deixe um comentário

O seu email não vai ser publicado.