Quase meio milhão de desempregados sem direito a qualquer subsídio

O desemprego de longa duração é uma realidade que se agrava a cada mês que passa, talvez até de forma mais intensa do que o própria evolução global do desemprego dado que parece consensual estar em curso um fenómeno importante de emigração.

A emigração conseguirá amenizar a taxa de desemprego global mas será uma opção a que muitos desempregados não podem aceder com facilidade, precisamente os mesmo que, também a nível nacional, terão mais dificuldades em reentrar no mercado de trabalho –  tipicamente mais idosos, com formação mais especializada, menos diferenciada, com família constituída, em suma, com mais amarras e obstáculos.

O pretexto destes parágrafos é o número de desempregados que não estão a receber qualquer subsídio associado a essa condição: cerca de 490 mil pessoas. Um valor que supera já significativamente o número dos que, estando desempregados, ainda têm direto a algum tipo de subsídio, seja o de desemprego, seja o social de desemprego (ou outros correlacionados).

A somar a esta realidade preocupante há ainda uma outra que se refere ao valor médio do subsídio que é recebido por aqueles que ainda não extinguiram os prazos de apoio: €481 em agosto de 2013 (era de €501 em agosto de 2012). Ou seja, já abaixo (em termos médios) do salário mínimo.

Perante este imenso exército de desempregados e esta realidade, é difícil entender que ainda se considere (como parece suceder com a troika) que a duração da prestação no desemprego e o valor da mesma sejam avaliados como obstáculos  importantes ao regresso ao mercado de trabalho e, como tal, devam ser alvo de novas alterações em baixa.

 

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.