Certificados de aforro: “São totalmente seguros, a menos que o Estado vá à falência”

Qual é a informação bastante para um investidor ficar informado do risco potencial de um produto financeiro? Esta é uma pergunta cuja resposta dependerá, pelo menos, de dois fatores. Por um lado o risco efetivo e inerente ao produto (em grau e diversidade de tipos de riscos), por outro o grau de conhecimento ou de formação financeira do próprio investidor.

Ao lermos um artigo recente onde se apresentam alguns dos problemas típicos existentes em Portugal aquando da comercialização de produtos financeiros em balcão (ver “Correios orientam para seguros“), nomeadamente, a pressão da força de vendas da instituição vendedora sobre o cliente sem valorizar convenientemente o próprio interesse do cliente, deparámos com uma crítica algo violenta aos CTT que nos parece, neste particular, descabida.

O promotor do estudo (a Deco Proteste) usa como argumento de má prática comercial dos CTT o facto de estes não revelarem devidamente o risco dos certificados de aforro ao se referirem a este tema, tipicamente com a frase: “São totalmente seguros, a menos que o Estado vá à falência“.

Muito francamente, qual é o potencial investidor que ouvindo isto não fica plenamente esclarecido?

Os certificados de aforro são totalmente seguros a menos que o Estado vá à falência. Pela nossa parte seria difícil exigir mais e melhor em termos de clareza, poder de síntese e bom português. Quanto a este produto, pouco mais há a acrescentar como a própria DECO Proteste reconhece ao não fundamentar o que ficará de fora desta informação. Se há críticas a fazer aos CTT e sendo esta a afirmação típica sobre este produto, não será seguramente por aqui.

Deixamos contudo uma pergunta. A DECO Proteste recebe comissões quando recomenda via protocolo produtos financeiros aos seus associados? Da resposta a esta pergunta dependerá a credibilidade com que esta instituição se pode pronunciar em relação a produtos financeiros concorrentes (como os certificados de aforro) e a vendedores concorrentes (como os CTT).

Com base na mesma resposta, saber-se-ia igualmente até que ponto a DECO Proteste seria merecedora de igual escrutínio quanto aos incentivos que a mobilizam e à sua força de vendas traduzida, por exemplo, na revista e nos emails que envia aos seus associados.

Se algum leitor souber a resposta (nomeadamente algum responsável da DECO Proteste que habitualmente visite a nossa página) teremos muito gosto em aqui a reproduzir caso se confirme a sua autenticidade.

Tagged under:

1 Comentar...

  • PedroResponder

    Todos ficámos a saber que a ProTeste recebe comissões pelo seu trabalho de aconselhamento aquando dos leilões de eletricidade.

Deixe um comentário

O seu email não vai ser publicado.