Certificados do Tesouro Garantem Retorno Acima da Inflação

Certificados do Tesouro Garantem Retorno Acima da Inflação

As taxas dos certificados de aforro e do tesouro poupança mais continuam o seu comportamento típico dos últimos já longos meses: a taxa dos certificados de aforro em queda continuada e a dos certificados do tesouro com o IGCP a manter a remuneração em vigor há mais de um ano.

Nas subscrições a efetuar durante o mês de junho de 2016 bem como nas renovações trimestrais que ocorram no referido mês, os certificados de aforro irão remunerar os investidores à razão de 0,742%, taxa anual nominal bruta, ou seja, pouco mais de meio ponto percentual líquido. Concretamente, depois de retido IRS, 0,53424%.

A remuneração dos certificados de aforro, revista trimestralmente está assim ligeiramente abaixo da taxa de inflação (variação média anual ) de abril de 2016, a última conhecida à data em que escrevemos o presente artigo: 0,7%.

 

Certificados do Tesouro Garantem Retorno Acima da Inflação

Já quanto às restantes séries do certificados de aforro (já encerradas à subscrição) o retorno continua a ser claramente superior à inflação presente.  Eis as taxas em junho de 2016:

  • 2,781% para a série C,
  • 3% para a Série B
  • 2% para a Série A.

Finalmente, quanto aos certificados do tesouro poupança mais, o retorno médio a cinco anos, bem como o taxa de juro logo no primeiro ano (correspondendo ao período de imobilização) fixam-se acima da inflação presente bem como acima da previsão da taxa de inflação para 2017 ou 2018.

Certificados do Tesouro Garantem Retorno Acima da Inflação

Certificados do Tesouro Garantem Retorno Acima da Inflação

A taxa de juro líquida no primeiro ano dos certificados do tesouro em subscrição é de 0,9%. Enquanto que a taxa de juro média líquida se mantiver o produto durante os cinco anos de vigências (note que os juros não capitalização e são pagos anualmente) está nos 1,62%. Em ambos os casos taxas extremamente competitivas face ao que se pratica nos depósitos a prazo comparáveis e, ainda assim a um preço interessante para o Estado face ao que tem de pagar pelas obrigações emitidas no mercado para o mesmo prazo.

Esta realidade ajudará a explicar a grande popularidade que este produto continua a ter entre os aforradores portugueses, tendo acumulado subscrições líquidas de várias centenas de milhões de euros só em 2016.

 

Mais informação:

Compare aqui os certificados de tesouro com os melhores depósitos a prazo e bons negócios!

Tagged under:

Deixe um comentário

O seu email não vai ser publicado.