Défice de 2014 fica nos 4,5% – não inclui eventual efeito BES

Segundo o INE, na informação divulgada através do Procedimento dos Défices Excessivos (1ª Notificação de 2015), o défice público em 2014 terá sido de 4,5% descendo três décimas face ao ano anterior. Este valor do défice inclui medidas extraordinárias mas não inclui ainda o potencial impacto do processo de resolução do BES e venda do Novo Banco. Em 2014. o Estado português endividou-se assim em mais €  7.822,3 milhões.

Entre as medidas extraordinários que inflacionaram o défice em 2014 destacam-se: “(…) o registo das operações de financiamento do Estado à STCP e à Carris, ao write-off de non performing loans do BPN Crédito, detidos pela Parvalorem, S.A. e à assunção da dívida garantida do Fundo de Contragarantia Mútuo. “

1 comentário em “Défice de 2014 fica nos 4,5% – não inclui eventual efeito BES”

  1. U EFETO BES CHE U PAGA SALGATO E SOCIOS CHE ELO TEN AMIGOS CHE LE REGALANU 14 MILION EUROS
    ESTO GATUNOS TENIA CHE ESTAR PRESO 30 ANOS COMO MORDOFF NA AMERICA NO EN LIBERTADE. GATUNO

    Responder

Deixar uma resposta