O Fundo de Garantia Salarial já teve de apoiar 9.663 trabalhadores com salários em atraso em 2013

Segundo o Jornal de Negócios, o primeiro semestre de 2013 ficou marcado por um número recorde de trabalhadores (9.663) e de montante (€55,6 milhões) que o Fundo de Garantia Salarial (FGS) foi chamado a ajudar e despender no âmbito das suas competências.

O Fundo de Garantia Salarial destina-se a trabalhadores por conta de outrem que tenham ficado com salários em atraso ou outros valores devidos e cujas entidades patronais tenham sido declaradas insolventes por um tribunal ou tenha iniciado o procedimento extrajudicial de conciliação, mediado pelo Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (IAPMEI).

Ainda segundo o Negócios (citando o Público), os valores do 1º semestre constituem um aumento de 34,5% nos valores despendidos pelo fundo face a igual período do ano passado ainda que em número de beneficiários já se tenha registado um valor superior em 2010. Recorde-se que por mês, o FGS paga “até três vezes o valor do salário mínimo nacional que estava em vigor na data em que a entidade empregadora devia ter pago o salário“.

 

Pode encontrar-se informação detalhada sobre o tema na página da Segurança Social dedicada ao Fundo de Garantia Salarial.

Um comentário sobre “O Fundo de Garantia Salarial já teve de apoiar 9.663 trabalhadores com salários em atraso em 2013

  1. Agora como as previsões económicas e do governo, andam “otimistas”, pode ser que o fundo de garantia salarial, seja menos utilizado!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.