De onde vem o dinheiro que engorda os depósitos a prazo?

[wp_ad_camp_1]

Recorde-se o artigo que aqui publicámos ontem sobre os depósitos a prazo: “Portugueses depositam o equivalente a 91,2% do PIB “. Face a isto é legitimo perguntar de onde vem este dinheiro.

 Ora já esta semana o IGCP revelou que o duo Certificados de Aforro e Certificados do Tesouro estão a registar, em termos líquidos, resgates muito importantes, da ordem das centena de milhões de euros todos os meses.

Por outro lado atente-se na peça “Fundos de investimento nacionais nunca valeram tão pouco” do Económico. Dois excerto:

” A indústria de gestão de activos nacional está a perder músculo. Os fundos de investimento portugueses têm actualmente 11,7 mil milhões de euros sob gestão, o valor mais baixo desde que existem registos, ou seja, Dezembro de 1999. Para se ter uma ideia do que esse valor representa na indústria global, só o maior fundo do mundo, o Pimco Total Return, vale 180 mil milhões de euros, ou 15 vezes mais do que toda a indústria nacional. (…)

No início de 2000, a indústria nacional estava avaliada em pouco mais de 20 mil milhões de euros e cresceu até atingir os 30 mil milhões em meados de 2007. O choque do ‘subprime’ erradicou então cerca de 15 mil milhões até Fevereiro de 2009 e após alguns meses de recuperação a indústria voltou a entrar numa espiral de perdas, desta vez despoletadas pela crise na Grécia. Mas entre as duas crises que afectaram a indústria existe uma diferença: enquanto na primeira as perdas em bolsa foram acompanhadas pelos resgates dos particulares, actualmente são os resgates quase os únicos responsáveis pelas perdas. (…)”

Somando as peças, começamos a chegar a algum lado. Juntemos-lhe  informação recente que aponta para uma queda abrupta no consumo de bens duradouros (e outros) e… Talvez tenhamos já encontrado boa parte da resposta à pergunta do título. Talvez faça sentido espreitar ainda como estão a evoluir as transferências vindas do estrangeiro. Estarão as elevadas taxas de juro dos depósitos a cativar mais remessas de emigrantes?

Tagged under:

2 Comentários

  • Rui DuarteResponder

    O que o (des)governo do sr. pinto de sousa fez – entre muitas outras aberrações – foi ter penalizado fortemente a pequena e média poupança, sobressaíndo0 neste aspecto os Certificados de Aforro. Quebra de condições contratuais para as Séries A e B significou um autêntico roubo, pois, ao mesmo tempo que se financiavam ( e financiam ) com a pequena e média poupança portuguesa, pagavam ( e pagam ) juros bem altos aos mercados, como é hoje usual dizer-se. Assim se tratou e por este andar se manterá este estado de coisas, enquanto se malbaratou e malbarata dinheiro e se aumentam impostos, taxas e contribuições até níveis que há pouco mais de meia dúzia de anos se pensava impensável.
    Mas, como se gastou dinheiro do contribuinte com fartura – para além do crédito interno e externo que, em última análise, quem paga é esse mesmo contribuinte nem que seja espoliado por um Estado eivado vícios – ninguém foi até agora chamado à responsabilidade e passarão impunes.

  • AnónimoResponder

    O Sr. Pinto de Sousa deveria ser responsabilizado pela maneira como se serviu e deixou servir dos dinheiros públicos. Agora só se fala do AJJ,não o quero defender de modo algum, mas Pinto de Sousa fez em grande escala aquilo que Jardim fez, numa escala muito reduzida, mesmo tendo em conta as devidas proporções.

Deixe um comentário

O seu email não vai ser publicado.