A nova mentalidade do contribuinte empresarial e singular segundo o Ministro das Finanças

A recolha de receitas fiscais via IRC foi das que mais cresceu em 2007. Dando a palavra aos políticos, concretamente ao Ministro das Finanças, e ainda que não se traduzam numa resposta directa à questão da evolução do IRC que está bem acima das expectativas de crescimento do PIB (por exemplo), eis as principais constatações contra as quais sobram muito poucos factos, se algum (via Agência Financeira):

“Convivemos muitos anos com o laxismo fiscal, com a conivência social para com quem faltava às suas obrigações, com a incapacidade da máquina para combater essa situação”. “Hoje em dia fugir ao Fisco é um risco, que tem consequências. A mentalidade mudou”.

[Prova disso] “é o facto de o cumprimento voluntário ter aumentado de forma considerável”.

“Muitas empresas apresentavam prejuízos vários anos consecutivos. Estabelecemos uma regra que, quando as empresas apresentassem perdas mais do que dois ou três anos seguidos, seriam alvo de uma inspecção. O resultado foi que muitas empresas deixaram de reportar prejuízos”.

Um comentário sobre “A nova mentalidade do contribuinte empresarial e singular segundo o Ministro das Finanças

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.