Pouca confiança entre os consumidores a destoar do clima empresarial

 E no INE analisa-se a actividade e o clima económico nos primeiros meses do ano.

"No primeiro trimestre a actividade económica registou um ritmo de crescimento mais intenso do que no trimestre anterior. Esta indicação retira-se não só dos indicadores de síntese, de clima económico e de actividade, como também da generalidade da informação sectorial, seja de natureza quantitativa, como a extraída dos Indicadores de curto prazo, seja qualitativa, baseada na opinião dos empresários.

Produto Interno Bruto PortuguêsA procura externa líquida manteve-se dinâmica e também ocorreu alguma reanimação da procura interna, o que poderá ter sido determinante para a aceleração do crescimento. O consumo privado deverá ter registado uma ténue aceleração, provocada pela componente de consumo corrente, e o mesmo terá ocorrido com o investimento, dada a verosímil recuperação da construção.

No mercado de trabalho, as indicações são mistas. Se bem que globalmente o aumento homólogo do emprego tenha sido moderado e idêntico ao registado no trimestre anterior, as restantes indicações são mais favoráveis, seja nas expectativas dos empresários e nos Indicadores de Curto Prazo, seja nas novas ofertas de empregos nos Centros de Emprego. Por outro lado, a taxa de desemprego aumentou face ao registado no trimestre homólogo, situando-se em 8,4%.

A inflação desacelerou ligeiramente na média trimestral, e em Abril verificou-se uma aceleração face ao resultado do mês anterior, provocada tanto pela componente de bens como pela de serviços. A inflação subjacente teve um comportamento semelhante ao IPC total, trimestral e mensalmente."

Mais detalhes na página do INE. 

Deixe um comentário

O seu email não vai ser publicado.

NOS