Consignação de 0,5% do IRS Alargada a Instituições Culturais

Novidade: Consignação de 0,5% do IRS alargada a instituições culturais. Este facto veio a confirmar-se com a integração no Orçamento do Estado de 2016 da proposta de alteração  apresentada pelo Partido Socialista.

Com a confirmação desta alteração serão assim mais as instituições que poderão concorrer aos 0,5% de IRS que cada contribuinte pode consignar em favor da entidade da sua preferência, no momento em que completa a sua declaração anual de IRS.

 

Consignação de 0,5% do IRS alargada a instituições culturais:

Esta alteração poderá aumentar o número de contribuintes que se dão ao trabalho de canalizar essa fração do seu imposto que a Autoridade Tributária autoriza seja disposta livremente (desde que para uma das instituições certificadas), poderá aumentar a competição pelos contribuintes que já efetuam tal consignação ou poderá ter um pouco dos dois efeitos.

Eis como ficará o artigo 152º do Código do IRS dado que a proposta que aqui referimos foi aprovada:

Consignação de 0,5% do IRS é alargada a instituições culturaisArtigo 152.º

Consignação a favor de instituições culturais com estatuto de utilidade pública

1 – Uma quota equivalente a 0,5% do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares, liquidado com base nas declarações anuais, pode ser destinada pelo contribuinte, a uma pessoa coletiva de utilidade pública que desenvolva atividades de natureza e interesse cultural, que indicará na declaração de rendimentos.

2 – As verbas destinadas a entregar às entidades referidas no n.º 1 devem ser inscritas em rubrica própria no Orçamento do Estado.

3 – A Autoridade Tributária e Aduaneira publica, na página das declarações eletrónicas, até ao 1.º dia do prazo de entrega das declarações, previsto no artigo 60.º, todas as entidades que se encontram em condições de beneficiar da consignação fiscal prevista no n.º 1.

4 – Da nota demonstrativa da liquidação de IRS deve constar a identificação da entidade beneficiada, bem como o montante consignado nos termos do n.º 1. 

5 – As verbas referidas no n.º 1, respeitantes a imposto sobre o rendimento das pessoas singulares liquidado com base nas declarações de rendimentos entregues dentro do prazo legal, devem ser transferidas para as entidades beneficiárias até 31 de março do ano seguinte à da entrega da referida declaração.

6 – A consignação fiscal prevista no presente artigo não é cumulável com a consignação fiscal prevista na Lei n.º 16/2001, de 22 de junho, nem com a consignação fiscal prevista na Lei n.º 35/98, de 18 de julho, sendo alternativa face a essas consignações.

 

Mais informação:

Não deixe de procurar informação mais recente e mais completa sobre o tema na nossa página dedicada exclusivamente aos desenvolvimentos da Consignação do IRS.

GOSTOU DO QUE LEU?
Então não perca nenhum dos nossos artigos.
Receba um EMAIL diário com os resumos: