Eu quero um parquímetro só para mim

O novo parquímetro portátil individual da EMEL (chamado de “SmartPark” – o que seria se não tivesse um nome inglesado!) começa a ser vendido e entregue aos clientes esta terça-feira, dia 23 de Fevereiro. O que avançámos há algumas semanas no artigo “Parquímetros individuais da EMEL à venda: 32 euros” confirma-se largamente. Para já mantemos a lista de vantagens e desvantagens então enunciadas, acrescenta-se apenas que na fase de lançamento os 32€ de custo são mitigados por um cartão carregado com 30€ para gastar em horas de estacionamento.

Para breve, será ainda lançado o fiscal de finanças portátil que mediante um módico aluguer lhe garantirá que o integral cumprimento das suas obrigações fiscais. Os custos do aluguer serão dedutíveis em sede de IRS majorados em 150%. Ok, não resistimos à chalaça. No fundo no fundo o parquímetro portátil não traz mal ao mundo, é uma alternativa que poderá revelar-se conveniente para vários utentes.

Parquímetros individuais da EMEL à venda: 32 euros

ADENDA 19 FEV 2010: A venda ao público do parquímetro individual (nome de guerra “SmartPack”) inicia-se dia 23 de Fevereiro e estará disponível na loja da EMEL e através da página online.

Se é utilizador habitual do automóvel e costuma estacionar o seu caro, perdão, carro, em Lisboa pagando parquímetro e/ou coleccionando multas, bloqueamentos e reboques, talvez valha a pena considerar pagar os 32 € que custa o novíssimo parquímetro individual que a EMEL vai lançar e entrar em funcionamento já na próxima segunda-feira (1 de Fevereiro de 2010).
O conceito é simples: necessita de um parquímetro individual e de um cartão de carregamento pré-pago e reutilizável.
O objectivo é pagar exactamente pelo tempo que usa o estacionamento. Assim, quando estaciona deve passar o cartão de carregamento pelo parquímetro individual que terá no seu veículo ativando-o. Deverá deixar o parquímetro individual visível e guardar consigo o cartão de carregamento que é, na realidade a moeda de pagamento.

Quando regressar ao automóvel para se deslocar para outro local com o seu carro, deverá voltar a passar o cartão de carregamento para que o valor correspondente ao tempo de estacionamento seja debitado.
Vamos a uma listagem de algumas vantagens e desvantagens com a informação disponível neste momento que é diga-se, apesar de haver pré-inscrições, muitíssimo escassa ao ponto de não se saber, por exemplo, onde e como se carrega o cartão:

Vantagens:

  •  Tendo um cartão carregado não precisa de se preocupar com as moedinhas;
  • Só paga o tempo que usa, poupando em todas as situações em que pagou e afinal se despachou bem mais depressa;
  • Evita o stress de olhar para relógio pôr moedinhas para não ser multado;

Desvantagens:

  • Estará a pagar 32 euros por um aparelho que simplificará o serviço da EMEL reduzindo-lhes o custo com o pessoal e com os parquímetros;
  • Não interessa a quem gosta de arriscar (usava mais tempo o estacionamento pagando apenas uma fração…);
  • Se se esquece de passar o cartão de débito/carregamento quando regressa ao bólide, corre o risco de a paragem lhe sair muito cara;
  • Se é utilizador esporádico ou de fim-de-semana, pagar 32€ por um pouco mais de conforto é capaz de ser demasiado;

Mais alguma sugestão?