Exportações crescem para dentro da UE e caem para fora

Portugal tem conseguido aumentar as exportações de bens para dentro da própria União Europeia ao ritmo de +3,2% ao ano desde o início de 2016. Já as importações de bens estão a crescer a um ritmo mais moderado (0.7%) face ao primeiro trimestre de 2015.

Recorde-se que a União Europeia absorve 76,8% de todas as nossas exportações e vende-nos 78,1% de todas as importações que adquirimos.

Esta realidade de significativo dinamismo das exportações para os nossos parceiros comunitários contrasta com a forte queda das exportações para fora da União Europeia.

No primeiro semestre as exportações extra-comunitárias caíram 15,9%. Este fenómeno estar muito mais relacionado com problemas específicos nos mercados externo do que propriamente na nossa economia. Note-se que as importações que estamos a adquirir a estes países extra-comunitários também caíram 8,8% no mesmo período, evoluções completamente dispares das registadas para a União Europeia ou mesmo para a Zona Euro.

 

Sem Angola e China as Exportações teria crescido no primeiro semestre:

O que diz o INE quanto ao primeiro trimestre de 2016?

 

Exportações:

“(…) diminuíram 1,8% face ao 1º semestre de 2015, principalmente devido à redução das exportações para Angola (-44,5%) e China (-36,4%).

Excluindo as transações para estes dois parceiros as exportações registaram um aumento de 0,8%.”

Exportações crescem para dentro da UE e caem para fora
Exportações crescem para dentro da UE e caem para fora

Importações:

“(…) diminuiram 1,4% no 1º semestre de 2016 em relação ao período homólogo de 2015.

Para esta evolução contribuiu sobretudo a redução das importações originárias de Angola (-49,6%).

As importações excluindo as transações para este país diminuíram 0,3%.”

 

A ordem de grandeza:

Para se ter uma outra noção da ordem de grandeza do que se está a passar, destacamos que em 2016 exportámos mais € 596,5 milhões para dentro da União Europeia do que em 2015 (primeiros semestres). Este ganho foi completamente pulverizado por uma queda de €1086,1 milhões nas exportações para fora da União Europeia.

Por via do comércio externo estão assim a importar uma parte da grave crise económica que afeta alguns dos nossos principais parceiros extra-comunitários. Parceiros esses que, em função do colapso das suas economias (pensamos em especial em Angola) estão, na prática a perder um estatuto relevante no comércio internacional português dado que também estamos a reduzir drasticamente as importações com essa origem (menos €632,5 milhões que compara com mais €172,4 milhões de importações da UE no mesmo período).

 

Mais informação:

Sobre este tema leia ainda “Balança Comercial melhora em €346 milhões“.

Não deixe de acompanhar as nossas análises das Estatísticas do Comércio Internacional.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.