Emprego em máximo de quatro anos

Há quatro anos que não havia tantos empregados em Portugal, há cinco anos que não havia tantos trabalhadores por conta de outrem e há cinco anos que a taxa de desemprego não era tão baixa.

Destacamos ainda que o desemprego diminuiu mais depressa do que o emprego aumentou, tendo-se registado uma ligeira quebra da população ativa entre o segundo trimestre de 2015 e o segundo trimestre de 2016. Fenómenos migratórios, envelhecimento da população ativa com aumento dos reformados e diminuição dos jovens a entrar em idade ativa poderão ser alguns explicações para este fenómeno.

Detalharemos a análise da taxa de desemprego noutro artigo => Desemprego em queda em todos os parâmetros.

 

Emprego em máximo de quatro anos

Segundo os dados das Estatística do Emprego do INE – dados trimestrais – havia no segundo trimestre de 2016 um total de 4,603 mil empregados em Portugal, um valor idêntico ao registado no segundo trimestre de 2012.

Destes 3775,8 mil eram trabalhadores por conta de outrem, o valor mais elevado desde o início da atual série estatística do INE (primeiro trimestre de 2011).

 

Emprego em máximo de quatro anos
Emprego em máximo de quatro anos

Simultaneamente, a taxa de desemprego caiu para o valor mais baixo em cinco anos: 10,8%.

 

Maior aumento do emprego entre 2015 e 2016 concentra-se nos serviços

Procurando perceber onde aumentou o emprego, verificamos que foi no setor dos serviços (que inclui o comércio) que se registou o maior crescimento homólogo do contingente de empregados.

No sub-universo dos trabalhadores por conta de outrem constata-se que o emprego aumento em 52,4 mil indivíduos entre o segundo trimestre de 2015 e o de 2016. Destes, 40,3 mil dos empregos líquidos foram criados no setor terciário ou dos serviços e apenas cerca de 6 mil foram criados em cada um dos restantes setores. Destaca-se ainda que foram essencialmente os homens que captaram estes empregos, cerca de 4 em cada 5 empregos adicionais criados.

 

Emprego por setor de atividade 2T2015 2T2016
Emprego por setor de atividade 2T2015 2T2016

O INE informa ainda que, entre os serviços, se registou um aumento quase equitativo em cada um dos seguintes sub-setoriais com cerca de 64 mil empregos adicionais a serem criados:

  • G e I: Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos; alojamento e restauração +23,1 mil empregos
  • H e J: Transportes e armazenagem; atividades de informação e de comunicação
  • K e L: Atividades financeiras, de seguros e imobiliárias + 20,5 mil empregos
  • O a Q: Administração pública e defesa; segurança social obrigatória; educação; atividades de saúde e apoio social M, N e R a U: Outras atividades de serviços + 21,1 mil empregos

Nos restantes sub-setores – K e L: Atividades financeiras, de seguros e imobiliárias e O a Q: administração pública e defesa; segurança social obrigatória; educação; atividades de saúde e apoio social –  registaram-se perdas de emprego em 6,3 mil e 8,9 mil, respetivamente.

 

Mais emprego a tempo inteiro, menos emprego a tempo parcial

No espaço de um ano, o número de empregados a tempo inteiro entre os trabalhadores por conta de outrem aumentou em 57 mil indivíduos tendo o trabalho a tempo parcial diminuído em cerca de 4 mil pessoas.

Noutra análise destaca-se que dos 52,4 mil empregos líquidos criados entre os trabalhadores por conta de outrem, cerca de 24 mil foram contratos sem termos, 14 mil contratos com termo e 15 mil em outro tipo de contrato..

 

Trabalhadores com secundário ou ensino superior em máximos históricos:

Mantendo uma tendência dos últimos anos, reforçou-se o volume de emprego disponível para trabalhadores com os mais elevados níveis de formação. Nunca houve tanto emrpego para que mtem habilitações ao nível do secundários e pós-secundário e quem tem ensino superior. No segundo trimestre de 2016, o número de empregados com pelo menos o ensino secundário era de 2.358 mil. No primeiro trimestre de 2011 o INE revelava que para esse mesmo nível de habilitações havia 1.786 mil empregados.

Trabalhadores com secundário ou ensino superior em máximos históricos
Trabalhadores com secundário ou ensino superior em máximos históricos

 

Mais jovens e mais idosos com mais emprego

O aumento do emprego aqui assinalado entre o segundo trimestre de 2016 e o período homólogo concentrou-se mais nos escalões etários entre os 45 e 64 anos e entre os 15 e os 24 anos. Em menor escala também entre os 35 e os 44 anos.

Nos escalões entre os 25 e os 34 anos e acima dos 65 anos houve perda de emprego.

 

Mais informação:

Pode encontrar mais detalhes no sítio do INE.

 

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.