Principais causas de morte em Portugal

Quais são as principais causas de morte em Portugal? O INE hoje aponta o foco para o Risco de morrer, uma outra forma de designar as causas de morte: de que é que é mais provável morrer-se em Portugal? Os dados analisados são de 2012 e revelam alguns factos interessantes como diferenças entre sexos na hora de expirar o último sopro de vida.

Principais Causas de Morte em Portugal:

Eis o resumo do INE que convida à leitura ou do destaque de 6 páginas (PDF) ou da publicação detalhada sobre o Risco de Morrer (PDF) elaborada em colaboração com a Direção Geral de Saúde junto da qual o INE divulga dados em folha de cálculo.

As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores malignos, com 23,9%. As doenças do aparelho circulatório afetaram sobretudo as mulheres (77,9 óbitos masculi¬nos por cada 100 femininos), ao contrário dos tumores malignos, mais frequentes nos homens (148,0 óbitos masculi¬nos por cada 100 femininos).
As doenças do aparelho respiratório e a diabetes mellitus estiveram na origem de 12,9% e 4,5% das mortes em 2012.
Apesar de as mortes devidas a causas externas de lesão e envenenamento constituírem cerca de 4% da mortalidade em 2012, afetaram com maior frequência pessoas mais jovens, representando em média uma perda de 22,9 anos potenciais de vida. Também estas causas afetaram substancialmente mais homens do que mulheres (219,5 óbitos masculinos por cada 100 femininos).

Na publicação de 181 páginas que retoma uma tradição interrompida em 2006, o INE refere que “(…) apresenta uma caraterização da mortalidade por causas de morte em Portugal em 2012, organizada em fichas individuais para 55 grupos de causas de morte referenciados à lista «OECD Health Data 2012», com apresentação de uma análise descritiva para cada causa ou grupo de causas de morte, bem como um quadro síntese com dados e indicadores de mortalidade.
Incluem-se ainda quadros de dados com informação mais detalhada por grupo de causas de morte, nomeadamente contagens do número de óbitos por sexo, grupos etários e regiões de residência dos falecidos, bem como indicadores estatísticos derivados.

Pode encontrar mais informação relativa a anos anteriores (ou posteriores logo que disponíveis) nos artigos que surgem clicando em “Causas de Morte“.

Tagged under:

1 Comentário

  • gabriele Responder

    U ESTADO PORTUGUES DIZ CHE TEMOS CHE IR REFORMATOS MAS TARDE PORCHE VIVIMOS MAS TEMPO
    ENTONZE U SUICIDIO U CANCRO CHE AUMENTA CADA VEZ MAS ESTA ES UNA CAVALLA CHE A GENTE MORE MAS.

Deixar uma resposta