Provável corte de 10% em salários acima dos €667 em 2014 (Função Pública)

A ser verdade a notícia hoje publicada pelo Correio da Manhã e confirmada pelo Diário Económico, o governo prepara-se para inscrever no Orçamento do Estado de 2014 um corte de 10% transversal a todos os salários fixados pela tabela salarial única da função pública. Este corte deve abranger todos os corpos especiais e isentar apenas os salários inferiores a €600.

Nenhum salário sujeito ao corte poderá descer abaixo dos €600 por efeito do corte estipulado.

Esta será a forma permanente de incorporar uma redução nominal da despesa nos gastos com pessoal do Estado.

Os cortes médios atuais de 5% que incidem em salários a acima dos €1500 em vigor desde 2011 serão eliminados e substituídos por esta nova modalidade, na qual não se prevê qualquer progressividade. Ou seja, o corte de 10% incidirá sobre todos os salários acima dos €667. Os salários acima dos €600 e até aos €667 passarão para os €600 e os salários abaixo dos €600 não sofrerão alteração.

Logo que esta medida seja confirmada oficialmente (ou não) daremos aqui dela nota.

7 comentários sobre “Provável corte de 10% em salários acima dos €667 em 2014 (Função Pública)

  1. Se os 10% forem para todos por igual é injusto, fará por certo mais falta 100 euros a quem ganha por exemplo 1000 do que os mesmos 100 euros a quem ganhe 10000, ou será só da minha vista?

  2. 10% de 10000 não são 100 euros mas antes 1000 euros!!!

    Ao ser em precentagem já é porpocional.

  3. Se os 10% forem para todos, num salário de 1000 euros serão retirados 100 euros e num salário de 10.000 euros serão retirados 1.000 euros!…
    É matemática!
    Provavelmente é mesmo da sua vista!

    e falta faz a todos, pq cada um faz a sua vida com o salário que tem… senão andavamos todos em carros baratos e velhos e viviamos em T2 na linha de Sintra…. e ngm tinha empregada doméstica!

    tem que haver salarios altos para que estes possam fazer circular dinheiro e manter o emprego de quem trabalha em lojas, de empregadas domesticas, e outras funções!

    Atenção: o meu salário está proximo de 1.000 euros, não tenho empregada domestica e o meu carro é velho 🙂
    …e sou contra o corte de salarios, mas não vamos andar constantemente à caça de quem tem um salario acima dos 1.500 euros!

  4. Claro que é da sua vista, ou melhor, da falta de massa encefálica, Clélia Moço!

  5. Boa tarde a todos.

    Em minha opinião o corte ao existir, não deveria ser 10% para todos, deveria existir escalões como no o IRS.
    Pela noticia avançada, como é obvio faz mais falta 67€ a quem ganha só 667€ do que 1000€ a quem ganha 10000€ . E não me digam que “cada um faz a sua vida com o salário que tem”.
    Está provado que a classe média e média baixa é que faz circular o dinheiro, porque gasta os € que tem e os que não tem. Já dizia um grande amigo meu(Sr. Albino de Setúbal)”Devemos abrir a torneira em função da cede que temos”.

  6. A Célia não tem culpa de ter aprendido a multiplicar naqueles cursos das novas oportunidades

  7. Um criterio tem que se adotar.
    E um corte percentual igual a todos é o mais justo, ou com mais equidade.
    Vejamos:
    1. Em termos absolutos é maior o corte nos escaloes superiores do que nos inferiores.
    2. Relembro que quando os funcionarios publicos foram aumentados, todos forma de acordo com o mesmo percentual, e não de forma diferenciada.
    3. Se fosse pedido taxas percentuais mais altas a rendimento superiores do que nos rendimentos inferiores, estavamos a aumentar a injustiça na aplicação (possivelmente, tribunal constitucional não aprova). Ainda que estivessemos a combater a desiguldade de remunerações praticadas em Portugal.
    4. O IRS e as respectivas taxas progressivas é que devem ser usadas para corrigir e “harmonizar” o valor do rendimento liquido disponivel nas , após impostos.

    A questão que questiono é se o valor a partir do qual está sujeito a cortes não devia ser mais elevado.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.