Passe navegante / Metro de Lisboa – renovar a assinatura em janeiro pode exigir ir ao balcão

Se tem uma assinatura do metro e ainda não aderiu ao Navegante (o novo passe agora obrigatório – ver detalhes aqui: “Aumento nos transportes em janeiro de 2013 e extinção de passes próprios do Metro e Carris“) então prepare-se pois o seu cartão Lisboa Viva não poderá ser carregado nas máquinas automáticas.

Na realidade, o primeiro carregamento que converte o seu passe Lisboa Viva de assinatura no metro, num passe onde carrega a assinatura multimodal “Navegante”, exige que seja um técnico do metro a proceder à alteração. A operação é rápida, menos de um minutos, mas pode gerar alguma espera admitindo que possa existir um número razoável de utentes na mesma situação.

Assim, pode antecipar a espera tratando desde já do assunto. De outro modo, caso tente usar o seu passe e receber a indicação de ‘título inválido’ e, ato contínuo, descobrir que não o consegue recarregar na máquina automática, já sabe, isso é… ‘Navegante’.

O passe ‘navegante’ dará acesso à linha de metro e da carris (€35 urbano ou €40 rede) e implicará, para quem só adquiria o passe do metro ou só o passe da carris, um acréscimo significativo de mensalidade (mais de 20%).

Tagged under:

2 Comentários

  • ÓscarResponder

    Isto é uma palhaçada…. Um aumento de 20% é demasiado grande…
    Em 2010 o passe apenas do metro era 19 euros… em 2013 é 35 euros…. Esta aumento é insuportável… Já para nem falar que temos de pagar um serviço que não usamos… não podemos escolher apenas metro ou carris…

  • Maria Tavares de MagalhãesResponder

    Acho isto um verdadeiro ESCÂNDALO!!! É de facto, mais uma imagem de um país a SAQUE. É um “ABUSO”, de todas as formas possíveis e imaginárias.
    No meu caso pessoal, não utilizo os serviços de Metro, pois sofro de claustrofobia. Para além disso, não gosto e acho que em termos de tempo não é tão rápido quanto se diz, pois com tantas escadarias ou escadas rolantes, mudanças de linha e atropelos, cronometrando o tempo exato, este é muito mais longo e para isso basta fazer uma simulação, através do Google, que irá corroborar o que acabo de afirmar.
    Utilizo apenas a Carris e são poucas as carreiras onde ando, 720, 735 e pouco mais. Muitas vezes era obrigada a ir a pé, mesmo tendo o passe, devido aos atrasos ou mesmo falhas de algumas carreiras, que após 20/30m de atraso, pura e simplesmente não apareciam. É de salientar também, que os relógios instalados nas respetivas paragens nem sempre funcionam e após longas esperas, cujos horários anunciados e previstos, não aconteciam, não tendo como justificar atrasos no emprego, pois em situações dessas seria descontada mediante os atrasos sofridos, para além de reprimendas, etc, restava-me ir a pé e a correr. É, no mínimo, hilariante, que se pague por um serviço “deficiente”, que é pré pago e depois não nos oferece quase nada. Termos que ir a pé para o trabalho, depois de termos pago o serviço que não utilizamos, devido a atrasos e greves, é completamente ABSURDO!!! Isto no que diz respeito à Carris, cujos serviços são os únicos por mim utilizados, quando mo permitem! Nunca, mesmo NUNCA, utilizo os serviços da CP.
    Portanto, resumindo:
    – Não utilizo Metro nem CP
    – Apenas utilizo a Carris e nos termos acima mencionados
    – Tinha o passe urbano 30 dias, que não uso desde Novembro, altura em que fiquei desempregada. Se eventualmente arranjar emprego e voltar a utilizar a Carris, serei obrigada a pagar mais 6 ou 7 Euros por um serviço que está cada vez pior e acima de tudo, sou obrigada a pagar por coisas que nem sequer utilizo, como o Metro e a CP.
    Caros senhores, gostaria que alguém me explicasse como é possível uma situação destas. Se isto não é ROUBAR, então é o QUÊ?!?!?????????

Deixe um comentário

O seu email não vai ser publicado.