Taxa de inflação ou Taxa de deflação?

Não é por acaso que o INE não tem uma “taxa de inflação”, tem antes uma taxa de variação média anual dos preços no consumidor. Uma taxa de variação que tanto pode ser positiva como negativa. Com o aproximar do final do ano a “procura” para as previsões quanto à taxa de inflação com que fechará o ano de 2009 bem como as primeiras previsões para 2010 aumenta. Há relatórios previsionais a preparar, relatórios para a casa-mãe, orçamentos a alinhavar. Até aqui tudo normal até que… “Mas o que é isto de taxa de inflação em Setembro de – (menos) 0,3%? Como vou explicar que a inflação é negativa?”

Esta aberração histórica por que passamos terá de enfrentar a formatação histórica com que olhamos para a formação dos preços e para a própria projecção de variáveis financeiras. Parece (e deveria ser) um problema prosaico, (o que tinha sinal mais passa a ter sinal menos), contudo, as implicações operacionais ao nível da previsão e projecção de actividades e cenários podem ser encaradas com surpresa. Uma das consequências mais curiosas que tenho encontrado entre quem se vê confrontado com estes números perante a realização de tais relatórios e cenários é pôr em causa a razoabilidade de aceitar o índice de preços no consumidor (IPC) oferecido pelo INE como uma referência ajustada à sua actividade. Se a sensibilidade é de que numa determinada actividade não estamos perante um cenário deflacionista, procura-se um indicador mais fino, um índice de preços para um cabaz mais limitado e mais próximo da actividade que estamos a analisar. Sendo certo que esta necessidade de precisão era sentida e em muitos casos seguida já antes, noutros, é esta singela viragem do limiar de positivo para negativo que está a provocar um pôr em causa daquilo que antes era aceite como uma aproximação grosseira mas aceitável.

Antes: O IPC é de 3,5%, talvez o que nos interesse mesmo seja de 2% mas… deixa andar, fazemos como os outros.

Este ano a pergunta é: o IPC vai fechar perto de 1% negativo, se calhar o que nos interessa deveria ser de 0,5% positivos… É melhor considerar 0,5% positivos.

Será este comportamento popular nos próximos tempos? Conheço pelo menos alguns casos. Poderá tal facto ajudar a prevenir a manutenção de um cenário deflacionista duradouro?

A mente humana é uma delícia, não acham?

Um comentário sobre “Taxa de inflação ou Taxa de deflação?

  1. Pingback: Adufe

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.