A poupança e o dia depois da crise

“(…) Para quem tenha o seu emprego ameaçado ou já perdido, os equilíbrios que a economia portuguesa precisa de recuperar a médio e longo prazo terão muito pouco significado. Mas as projecções que traçam um futuro próximo cheio de dificuldades, também revelam que o comportamento das famílias perante a crise pode ser a base de partida para um “modelo” de crescimento diferente daquele que condenou o país a uma década de taxas de crescimento frustrantes e de afastamento do rendimento médio dos parceiros europeus.

O endividamento acumulado pela economia portuguesa representa já um valor mais elevado do que o do rendimento gerado anualmente. Em parte, trata-se da consequência inevitável do recurso ao crédito para satisfazer a necessidade básica de habitação, mas também para realizar sonhos de consumo dirigidos a bens e serviços importados. Uma forte queda nas importações, tal como está prevista, reflecte um abrandamento no ritmo de contracção de nova dívida, muitas vezes contratada junto de entidades externas. A “desalavancagem” da economia nacional está em curso e recomenda-se.

Poupar mais e recorrer menos a empréstimos pode quebrar as ilusões de melhoria do padrão de vida. Mas tem a vantagem de recuperar realismo nas expectativas.

Editorial de João Candido Silva, hoje no Jornal de Negócios.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.