Censos 2021: O que tenho de fazer? (vídeo)

O Instituto Nacional de Estatística (INE) está a lançar a sua maior operação estatística regular, no caso, os Censos 2021, um exercício que é realizado há mais de 150 anos.

A data de referência para esta operação de levantamento exaustivo sobre a população e a habitação que ocorre a cada 10 anos é de 19 de abril. Contudo, a operação já começou com testes em 2020 e arrancou definitivamente a 5 de abril de 2021 com o envio das cartas pelos recenseadores em todos os alojamentos do território nacional com os códigos necessários à resposta aos Censos 2021 através da Internet (ou telefone).

 

Censos 2021: O que tenho de fazer?

Os censos 2021 serão, no essencial, pela primeira vez, feitos com respostas remetidas pela internet ou telefone, havendo apenas, após várias tentativas falhadas, o recurso a contacto direto.

Esta realidade resulta não tanto da pandemia mas mais de uma evolução natural do processo censitário um pouco em todo o mundo e da evolução da integração das várias fontes de informação administrativas disponíveis e da proliferação do acesso à internet na sociedade portuguesa.

Porquê censos em não censo? Porque como sucede há várias décadas, há dois exercícios autónomos, um que procura conhecer, quantificar e qualificar dados sobre a população residente em Portugal e outro que incide sobre a recolha mais completa possível de informação sobre alojamentos, sobre a habitação existente, seja ela primeira residência ou não. Estamos perante o XVI Recenseamento da População e o VI Recenseamento da Habitação.

 

A que perguntas terei de responder?

Quem tiver curiosidade em conhecer antecipadamentes as questões censitárias poderá visitar esta página do INE onde encontra uma cópia das perguntas. O questionário é disponibilizado em 12 línguas diferentes já que o censo da população se destina a toda a população presente em território nacional a 19 de abril de 2021.

Recorde-se que o recenseamente geral da população não visa ser respondido apenas pela população legalmente autorizada a residir em Portugal, nem a informação por ele recolhida será partilhada de forma não anonimizada com as autoridades policiais.

A função do recenseamento não é identificar e contribuir para perseguir pessoas, mas sim conhecer o mais profunda e rigorosamente possível a realidade populacional em Portugal.

O conhecimento da população imigrante é um dos objetivos habituais do recenseamento e, desde que Portugal abriu as suas fronteiras intra-europeias, o recensamento é uma peça ainda mais importante para calibrar e afinar o conhecimento da população presente e residente no nosso país.

 

Calendário dos censos 2021

A partir de 5 de abril os cidadãos residentes começarão a receber uma carta com o código e palavra-passe que permitirão responder via internet.

A resposta deverá ser dada a partir de dia 19 de abril e esta será a data de referência que se deverá usar para pensar e dar todas as respostas acedendo a https://censos2021.ine.pt. Aí encontrará todas as perguntas dirigidas aos membros do agregado familiar e relacionadas também com o alojamento, entre outros.

Uma vez respondido e selecionar “Entregar” e o INE irá receber a resposta.

A resposta deverá ser remetida até 3 de maio, preferencialmente.

 

E quem não tem acesso à Internet?

 

Nesses casos o INE tem as seguintes alternativas:

Quando a resposta pela Internet não for possível, tem ao seu dispor outras formas de participação nos Censos 2021, nomeadamente:

  • Telefone, para grupos da população com maior dificuldade na resposta pela Internet ou impedidos de contacto presencial;
  • e-balcão nas Juntas de Freguesia (mediante as condições de acessibilidade locais e em função da respetiva situação de saúde pública);
  • Autopreenchimento dos questionários em papel, entregues pelos recenseadores, que cumprem um rigoroso Protoloco de Saúde Pública.

Se precisar de ajuda:

Linha de Apoio 210 54 20 21

Há ainda um plano de contingência que poderá ser acionado junto dos municípios, se for necessário.

 

Porquê responder aos censos 2021?

Ter um bom recenseamento geral da população a 19 de abril de 2021 e da habitação é fundamental para qualquer país se conhecer melhor, para informar e formar boas políticas públicas, para que os investimentos privados tenham mais probabilidades de sucesso porque melhor ajustados em termos de expectativas e de conhecimento da realidade.

A informação recolhida será anonimizada e devolvida à sociedade para difusão pública, estudo, investigação mais detalhadas. Será fundamenal para estruturar estudos de mercado, pesquisas de opinião com rigor científico, para mapear o país geograficamente de sucessivas camadas de informação relevante, para identificação de tendências populacionais, de hábitos e costumes, para avaliação indireta das políticas que se praticaram desde o último recenseamento de 2011, para corrigir desvios na informação administrativa que é usada, por exemplo, para acompanhar a evolução populacional entre dois momentos censitários.

No fundo para responder a perguntas críticas sobre quantos somos, como somos, o que somos e para nos encaminhar para o que queremos ser e para onde devemos ir.

 

 

Quando serão divulgados resultados?

Segundo declarações do presidnete do INE à TSF, Francisco Lima, “Contamos ter os primeiros resultados, ainda preliminares, quatro meses após o fim da recolha no campo“.

A divulgação de resultados dos recenseamentos far-se-á, como habitualmente, ao longo de diversas fases, avançando-se em cada uam delas no nível de detalhe apresentado.

Dito isto, espera-se, então, que ainda no decurso do ano de 2021, haja uma divulgação preliminar dos dados agregados mais relevantes.

Tagged under:

1 Comentário

Deixar uma resposta