Era digital

Os portugueses sempre foram um povo navegador mas a expressão desta caraterística mudou. Hoje, não são os mares que se exploram, mas a Internet, como fonte de rendimentos, na luta contra situações tão reais como a precariedade e o desemprego. Venha saber como os portugueses encararam a era digital e quais os trabalhos online de que mais gostam para gerir as suas vidas ou equilibrar as suas finanças.

Os números da economia nacional têm apresentado um crescimento económico português bem como uma redução no número de desempregados. Estes valores, bastante positivos e encarados com entusiasmo, não correspondem, ainda assim, à realidade de todos os portugueses.
A recuperação financeira portuguesa, apesar de muito elogiada internacionalmente, não se sente na casa de muitas famílias lusitanas, que sentem ainda dificuldades económicas intensas e uma grande dificuldade de pagar todos os seus encargos mensais.
Para que o consigam fazer, não são raros os casos de famílias que acabam por recorrer aos créditos e por, desta forma, cair em situações ainda mais complexas, de endividamento.
Com salários baixos ou em situação de desemprego, muitas pessoas acabariam por explorar a Internet como forma de ganhar rendimentos extra. De facto, trabalhar na Internet é algo que cada vez mais portugueses faz, seja como alternativa a um trabalho convencional ou como segunda atividade.
Das várias oportunidades estendidas pelo mundo digital, existem trabalhos que parecem apelar mais ao povo luso. Descubra quais os trabalhos online favoritos dos portugueses.

 

 

Trabalho por conta própria online

O trabalho por conta própria não é uma novidade, sendo que os freelancers já existem há muito tempo. Ainda assim, o aparecimento de plataformas digitais e de novas tecnologias facilitou todo o processo.
No meio digital, atualmente, existem sites e espaços que acolhem este tipo de profissional, permitindo que este tenha um contacto mais rápido e simples com os potenciais clientes. Da mesma forma, a criação de blogues e de sites onde pode comercializar, sem apoio, estes serviços é, também, mais simples nos dias de hoje.
Criar e expandir uma rede de clientes usando as plataformas digitais é algo que os portugueses fazem, não só pelos rendimentos, mas também pela grande liberdade que confere em termos de horário e localização.
Uma vez que é um trabalho remoto, isto permite que o profissional, independentemente da sua área (por exemplo, escritores, explicadores, contabilistas ou criadores de conteúdos) possam trabalhar em qualquer lugar e a qualquer momento, definindo ainda a sua tabela de preços.

 

Empreendedor de e-commerce

As lojas online também foram encaradas, por muitos portugueses, como uma boa alternativa para ganhar alguns rendimentos extra.
Criando empresas digitais, estes empreendedores optam pela criação de sites e de estruturas digitais, a partir das quais vendem produtos diversos.
Este tipo de trabalho pode ser conciliado, por norma, com empregos convencionais e permitem o ganho de uma renda extra, que ajuda a obter o desejado equilíbrio financeiro.
Além de todas estas vantagens, nos dias de hoje o empreendedorismo em e-commerce torna-se ainda válido pelo nascer de alternativas que permitem abrir este tipo de loja sem muitos custos iniciais. Métodos de trabalho como o Dropshipping dispensam, por exemplo, a aquisição e armazenamento de stocks, bem como todos os passos de gestão logística. A construção da identidade da empresa é algo que, cada vez mais, pode também ser feito online, com o apoio gratuito de ferramentas para o efeito.

 

 Atividades de editores, transcritores e tradutores online

O vasto mundo da escrita oferece oportunidades incríveis no mundo digital e não faltam clientes que procuram, para as suas obras, editores ou tradutores online.
Da mesma forma, os trabalhos de transcrição jurídica ou para outras finalidades é também uma opção para quem tem o tempo e a oportunidade de perder algum tempo a ouvir e a transcrever ficheiros de áudio e vídeo.
Este tipo de trabalho pode ser feito a partir do domicílio e é um trabalho que muitos portugueses têm a par com os seus empregos convencionais. Ainda assim, para muitos, quando o volume de trabalho adensa, este trabalho online acaba por substituir as restantes atividades, na medida em que tende a compensar financeiramente.

 

Viver como criador de conteúdos em rede

Instagram, Twitter, Facebook ou Youtube: já todos ouvimos falar deles e, para muitos, estes são mais do que espaços de lazer, transfigurando-se em verdadeiras oportunidades de negócio.
A tendência das redes sociais e do trabalho como criador de conteúdos para estas já chegou a Portugal e não faltam influencers digitais que tentam, a partir deste tipo de plataforma, obter ou melhorar os seus rendimentos.
Nestes espaços, os portugueses recorrem aos seus conhecimentos, ao humor ou às valências para cativar os públicos e a atenção das marcas e empresas que os patrocinam.
Estes patrocínios, obtidos mediante o número de seguidores ou a pertinência dos conteúdos, são justamente a forma como a atividade se transfigura em rendimento extra.

Tagged under:

1 Comentário

  • Sidcley FernandesResponder

    Os Posts aqui no Economia e Finanças não têm autorias e datas, como podem disponibilizar o compartilhamento de textos sem referência temporal ou autoral?

Deixar uma resposta