Taxas de usura para o 4º trimestre de 2018 com descidas significativas

Taxas de Usura 4º trimestre 2018

Há vários trimestres que as taxas de juro máximas dos vários tipos de crédito, para novos contratos, têm vindo a descer. E a tendência mantém-se. De facto, apuraram-se taxas de usura para o 4º trimestre de 2018 com descidas significativas, seguindo a metodologia de cálculo usada pelo Banco de Portugal.

Tal como no trimestre anterior, apenas a taxa aplicável ao crédito pessoal com a “Finalidade de Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos” registou uma ligeira subida, mantendo-se assim, em contraciclo.

Nos restante tipos de crédito, a taxa máxima autorizada, para novos créditos contratados, entre 1 de outubro de 2018 e 31 de dezembro de 2018 é inferior à que vigorou no 3º trimestre em 0,1 pontos percentuais a 0,4 pontos percentuais. Ou seja, a descida pode atingir os 40 pontos base, mais do que os 30 pontos base apurados na maior descida entre o 2º e o 3º trimestre de 2018.

Neste artigo reproduzimos as taxas de usura para 4º trimestre 2018 conforme divulgadas pelo Banco de Portugal para sete tipologias distintas de contratos de crédito.

Na tabela que se segue é ainda possível comparar as taxas máximas que estarão em vigor entre 1 de outubro e 31 de dezembro de 2018 com as dos quatro trimestres anteriores.

É possível verificar que, em alguns tipos de crédito, a queda, no espaço de um ano, atingiu os 60 pontos base.

Por outro lado, no já referido crédito ao consumo com “Finalidade Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos” a taxa subiu, ao todo, 40 pontos base.

 

Tipo de contrato de créditoTAEG máximas
4.º Trimestre 20171.º Trimestre 20182.º Trimestre 20183.º Trimestre 20184.º Trimestre 2018Variação face ao 3º trimestre de 2018
Crédito pessoalFinalidade Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos5,50%5,60%5,60%5,80%5,90%0,10
Outros Créditos Pessoais (sem finalidade específica, lar, consolidado e outras finalidades)13,80%13,60%13,40%13,30%13,20%-0,10
Crédito automóvelLocação Financeira ou ALD: novos5,10%5,20%5,00%5,00%4,80%-0,20
Locação Financeira ou ALD: usados6,30%6,30%6,10%6,00%5,90%-0,10
Com reserva de propriedade e outros: novos9,80%9,70%9,70%9,40%9,30%-0,10
Com reserva de propriedade e outros: usados12,30%12,30%12,20%12,10%12,00%-0,10
Cartões de crédito, Linhas de crédito, Contas correntes bancárias e Facilidades de descoberto16,10%16,40%15,90%15,70%15,30%-0,40

 

Taxas de Usura 4º trimestre 2018

Imagem do Banco de Portugal

Como complemento a este artigo recomendamos a leitura de “Portugueses viciados em crédito ao consumo? Novo recorde histórico Maio 2018“.

Note-se que os dados mais recentes de julho de 2018, divulgados pelo Banco de Portugal (cuja tabela resumo reproduzimos em baixo) revelam que o recorde de maio já foi novamente batido.

Tipo de contrato de créditoNúmero de contratos (P)
Jul 2017Jun 2018Jul 2018Jul 2018 /Jul 2018 /
Jun 2018 (%)Jul 2017 (%)
Crédito pessoalFinalidade Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos901152416749,80%85,80%
Outros Créditos Pessoais (sem finalidade específica, lar, consolidado e outras finalidades)323443719534782-6,50%7,50%
Crédito automóvelLocação Financeira ou ALD: novos1174106811447,10%-2,60%
Locação Financeira ou ALD: usados397409346-15,40%-12,80%
Com reserva de propriedade e outros: novos4315498350551,40%17,10%
Com reserva de propriedade e outros: usados1143213234134481,60%17,60%
Cartões de crédito, Linhas de crédito, Contas correntes bancárias e Facilidades de descoberto (1)677876662461634-7,50%-9,10%
Total118350125037118083-5,60%-0,20%

 

Tagged under:

2 Comentários

  • Carlos MarquesResponder

    Estas taxas de juro, num momento em que os bancos recebem dinheiro de borla do BCE, e “dão” 0,0X% de juros nos depósitos, são um autêntico roubo!

    E são apenas as taxas anuais. Se se fizerem as contas aos meses todos em que se fica a pagar os créditos (Cofidis, Cetelem, etc) que aparecem nos anúncios, as taxas REAIS podem chegar aos 30%, 40%, ou mais!

    O melhor crédito é a poupança, e o melhor investimento é pagar a pronto!
    Em vez de pagarem um crédito, tenham a disciplina de colocar o mesmíssimo montante todos os meses numa poupança. No final, compram o que queriam na mesma, e ainda poupam milhares de Euros.

    A única situação em que isto não faz sentido é na compra de casa, pois esse montante é demasiado elevado para estar à espera de poupar o valor todo, antes de fazer a compra.

    A lição que acabei de dar é mais valiosa que uma Licenciatura em Economia, onde pouco mais se aprende hoje em dia, do que fazer “yes man” ao Abominável César das Neves… Não têm de quê!

    • Fausto Monteiro GriloResponder

      nem mais, saúde da boa, Fausto

Deixe um comentário

O seu email não vai ser publicado.