Blogs do Ano - Nomeado Política, Educação e Economia

O mau exemplo da Caixa Geral de Depósitos (CGD)

Desconfio que será ilegal, atendendo aos avisos mais recentes do Banco de Portugal, mas mesmo que não fosse a prática que a seguir relato é mais uma que faz do banco público uma mau exemplo para os demais concorrentes do secotr. Falemos do Caixazul Netpr@zo, um depósito a prazo de subscrição on-line acessível a alguns clientes da CGD que pratica taxas de juro bastantes concorrenciais (Taxa de juro anual nominal bruta (TANB): calculada a partir da Euribor360 6M, média do mês anterior à constituição arredondada à milésima).

Qual é o problema? O problema é que este depósito não se constitui no momento em que o cliente revela a sua disposição de o subscrever mas apenas no final do período permitido para a subscrição que se estende por 15 dias. O que sucede é que “O débito na conta à ordem ocorrerá no momento da subscrição“, ou seja, o capital desaparece de qualquer conta do cliente até ao dia final do prazo de subscrição, momento a partir do qual entra em depósitos à ordem. No limite, há assim 15 dias em que o montante fica em parte incerta ao serviço da CGD, sem ser remunerado. Notem que o montante não fica cativo, simplesmente desaparece.
Esta prática persiste há vários meses e sim posso sempre fazer chegar uma denúncia via Portal do Cliente Bancário, ao Banco de Portugal* (que anda muito distraído), mas além da eventual acção deste, fica a crítica veemente enquanto accionista compulsivo deste banco do Estado. Por estas e por outras, continuo a achar que ter um Banco de Estado é demasiadas vezes uma oportunidade perdida. Seria possível e é exigível exigir um melhor serviço que gere mais externalidades positivas para este mercado.

* Seguiu reclamação para o BdP via formulário on-line.  Depois vos conto dos desenvolvimentos.

Tagged under:

9 Comentários

  • ruiResponder

    subscreve-se o produto no ultimo dia

  • Rui Cerdeira BrancoResponder

    Sim, é a melhor defesa, de preferência às 23h59m.
    Mas, por princípio, e para que a taxa anunciada seja efectivamente comparável, esta não é a melhor prática entre “pessoas de bem”. Não conheço qualquer justificação digna para este procedimento.

  • JoãoResponder

    As queixas para o banco de portugal caem simplesmente em saco roto. Aliás, tal como aquelas efectuadas nos livros de reclamações!

    Essa pretensa capacidade de reclamar que generosamente concedem aos cidadãos, mais não é do que um bom balde de areia que nos atiram para os olhos!

    Basta às entidades reclamadas apresentar uma qualquer desculpa esfarrapada e o caso é encerrado. Nem vale a pena insistir!

  • Renato BarrosResponder

    É verdade João, mas se ninguem o fizer entao será ainda pior… a minha experiência de BdP é mesmo sobre garantias bancárias, que me enviaram um link com o artigo e uma palmadinha nas costas

  • Pingback:Maisvalias » Portal do Cliente Bancário

  • EscarapãoResponder

    Votos de um óptimo 2009. Quanto à reclamação, por experiência própria e devido a uma comissão e despesas indevidamente cobrada pelo BES em 2006, pedi o livro vermelho. Passados uns meses, recebi uma carta em casa a dizer que era uma questão do âmbito #comportamental” e que deveria encaminhar a situação para o foro judicial.
    Para reaver aí uns 9 Euros(exagerando claro está). Assim é difícil confiar nas nossas instituições.

  • MAMMResponder

    Tanto quanto conheço deste tipo de depósitos os fundos só são debitados no dia da subscrição. Caso fiquem numa conta de apoio, paralela ou como lhe queiram chamar o Banco obriga-se a remunerar o capital à mesma taxa da conta à ordem. Questionem o gestor, leiam o contrato de subscrição (às vezes o que lá está não é o que efectivamente é realizado pelo banco) reclamem na CGD e no BP.
    Lembrem-se água mole em pedra dura tanto bate até que fura.

  • Rui MCBResponder

    Obrigado pelos comentários. Desta vez poupei contactar directamente o gestor pois parece-me um problema genérico que deveria preocupar um regulador empenhado. No limite mesmo queo contrato preveja esta situação, ela é altamente discutível à luz do espírito dos avisos recentes provenientes do BdP.
    Quando e se tiver desenvolvimentos, aqui virei.
    Bom ano!

  • Paulo SérgioResponder

    Qual é a data valor do débito??? No extracto bancário qual a data que aparece para débito efectivo??

Deixe um comentário

O seu email não vai ser publicado.