BES aceita pagar 7 milhões de dólares à SEC perante provas de intermediação ilegal nos EUA entre 2004 e 2009

Segundo a SEC (a CMVM norte americana), o BES praticou durante 2004 e 2009 a atividade de broker-dealer e aconselhamento de investimento em valores mobiliários  junto do público norte americano sem para isso estar autorizado, carecendo dos registos mandatórios por lei. A disputa terá sido resolvida com um acordo através do qual o BES pagará 7 milhões de dólares à autoridade de valores mobiliários norte americana.

Eis o comunicado da SEC sobre o assunto: “SEC Charges Major Portuguese Bank for Violating Registration Provisions of U.S. Securities Laws“. Um excerto:

Continuar a ler “BES aceita pagar 7 milhões de dólares à SEC perante provas de intermediação ilegal nos EUA entre 2004 e 2009”

Regulador americano pede às agências de rating para listarem erros históricos

A propósito da peça “S&P balks at SEC proposal to reveal rating errors” da Reuters a que acedemos, relativa a uma sugestão da SEC (a instituição homóloga da CMVM nos EUA) para que as agências rating divulguem os seus erros históricas indicando o que foi feito para os evitar destacamos um parágrafo com a opinião de uma responsável americana pela protecção dos investidores:

” (…) “What was their correction policy on their Enron rating? What was their correction policy on their Lehman rating? What was their correction policy on their Bear Stearns rating? They don’t have an error correction policy — they have an error denial policy, and the SEC is absolutely right to step in,” Roper said. (…)”

Comentário: visões simplistas de que a culpa da crise é da exclusiva responsabilidade dos arautos, neste caso, das agências de Rating, não nos comovem, tal como não nos convence a perspectiva de que estas agências têm credibilidade para serem levadas a sério. De certa forma, é impossível pedir-lhe que sejam mais do que aquilo que têm sido. Pela forma como surgiram, para o que surgiram e atendendo ao modo como está estruturado o seu negócio, não está na sua natureza serem o agente imparcial, conhecedor e desapaixonado que supostamente se desejava que fossem. Está quase tudo errado para que dê certo.

Senado americano afirma: “agências de rating é que causaram a crise”

Vale a pena ler esta peça da Agência Financeira sobre relatório desenvolvido ao longo de dois anos pelo Senado Norte-Americano: ” Relatório: agências de rating é que causaram a crise – “S&P e Moody’s sabiam da bolha muito antes de ela rebentar e não fizeram nada. Senado dos EUA diz que conflito de interesses trava maior precisão“.

Um das propostas que sai do relatório é esta:

“Uma das sugestões do painel do Senado é pôr a Securities and Exchange Commission (SEC, a polícia da bolsa norte-americana, equivalente à nossa CMVM) a atribuir notas às próprias agências de rating de acordo com a precisão das suas classificações».”