Dívidas: Auto – diagnóstico financeiro: o 1º e mais importante passo

Eis o segundo texto do nosso leitor Pedro Matos que se tem dedicado a estudar as finanças pessoais e que publicamos no Economia & Finanças. Temos muito gosto em publicá-lo pela pertinência do tema. Espero que apreciem. Se quiserem colaborar não hesitem e entrem em contacto connosco (clique aqui).

Não há impossíveis nas finanças pessoais

No caso e apesar de ter chegado a um ponto tal que as suas finanças pessoais estão um desastre, é sempre possível sair dessa situação e conseguir equilibrar-se. É difícil, principalmente no que respeita à fase de decidir e arrancar com a recuperação, mas não é nada impossível.

Deixo aqui algumas ideias erradas que as pessoas muito endividadas às vezes podem ter:

  • Tenho problemas de saúde e não conseguirei pagar as dívidas,
  • Não conseguirei colocar os meus filhos na escola,
  • Não conseguirei eliminar a minha dívida do cartão de crédito,
  • Gostava de eliminar as dívidas mas não gosto de fazer orçamentos domésticos,
  • Não sei como enfrentar os impostos.

Se tem algum destes pensamentos, ou algum relacionado, saiba que é possível dar a volta à situação. Pode não ser fácil mas é possível. Pode não ser rápido, mas é possível.

Continuar a ler “Dívidas: Auto – diagnóstico financeiro: o 1º e mais importante passo”

5 regras fundamentais de uma boa gestão do orçamento doméstico

Este texto foi-nos enviado pelo Pedro Matos, nosso leitor, versado em Finanças Pessoais, que conta dar sequência à colaboração. Temos muito gosto em publicá-lo pela pertinência do tema. Espero que apreciem. Se quiserem colaborar não hesitem e entrem em contacto connosco (clique aqui).

A nossa sociedade encontra-se hoje baseada numa economia em que o factor consumo assume um papel importante. O problema é que a dada altura as pessoas começaram a consumir mais do que realmente tinham como rendimento disponível, e aqui entrou o papel dos bancos que através de um dinamismo comercial agressivo levaram as pessoas a consumir cada vez mais com dinheiro que não tinham, através de empréstimos e créditos.
Só que, como em tudo, deve existir um equilíbrio e, neste caso a grande maioria dos agregados familiares não teve o cuidado de equilibrar convenientemente as suas finanças pessoais.
Assim, hoje são muitas as pessoas que necessitam de um aconselhamento financeiro de modo a serem orientadas na melhor gestão do seu orçamento doméstico.
Cada caso é um caso, mas actualmente menos de 5% da população portuguesa consegue manter a sua situação financeira dentro das recomendações de equilíbrio.
As recomendações de equilíbrio financeiro vão servir de referência para que saiba como deve proceder a partir do momento em que decide dar uma maior e séria atenção à sua vida financeira.
As pessoas que praticam exercício regularmente estão entre os 5% da população com melhor condição física, aqueles que adoptam hábitos nutricionais equilibrados estão entre os que mais saudáveis são. Aqueles que decidem dedicar parte do seu tempo à sua família e lazer estão entre os mais felizes. Todos podemos fazer escolhas, desde que saibamos o que fazer. Não é de todo condição necessária nascer-se rico ou ganhar a lotaria para se conseguir fazer boas poupanças. A maior necessidade é conseguir-se obter um padrão de vida que nos permita continuar a ter o que queremos sem descorar o equilíbrio das nossas finanças pessoais.
Ao longo dos próximos artigos vou explanar todas as recomendações de modo a orientar o leitor na melhor gestão do seu orçamento doméstico.
Nesta primeira abordagem e por agora deixo aqui 5 regras fundamentais de uma boa gestão do orçamento doméstico para o leitor ler, analisar e reflectir:

1º Ter consciência dos seus proveitos e dos seus gastos
2º Prever as suas despesas
3º Antecipar outros encargos
4º Manter alguma liquidez
5º Realizar poupanças

Tendo consciência e compreendendo realmente o que significa seguir estas 5 regras, ao coloca-las em prática juntamente com um conjunto de métodos, irá conseguir obter uma boa gestão das suas finanças pessoais de modo a conseguir um equilíbrio financeiro sustentável.
Passo a explicar um pouco mais cada uma das 5 regras expostas:

Continuar a ler “5 regras fundamentais de uma boa gestão do orçamento doméstico”