Balança Comercial em 2020 terminou melhor do que em 2019

O INE divulgou os dados preliminares de final de ano relativos ao saldo entre exportações e importações de bens. Como se sabe o ano de 2020 foi um ano de forte contração económica em contexto de pandemia mas a verdade é que tal realidade tem por vezes como consequência diminuir as importações de forma dramática o que, de facto, conteceu. Dado que as exportações resisitiram um pouco melhor, apresentando uma redução menos acentuado, a Balança Comercial em 2020 (sem serviços) terminou melhor do que em 2019.

 

Balança Comercial em 2020

No conjunto do ano, o saldo da Balança comercial acabou por ser significativamente menos negativo do que em 2019, tendo melhorado um pouco mais de €6 mil milhões.

A taxa de cobertura das exportações pelas importações subiu para 79,3% registando o melhor valor desde 2016 (81,5%).

Dando realce ao fundamental da análise do INE sublinha-se que:

No conjunto do ano de 2020 as exportações e as importações de bens diminuíram 10,2% e 15,2%, respetivamente (+3,5% e +6,0% em 2019, pela mesma ordem), tendo o défice da balança comercial de bens
diminuído 6 024 milhões de euros para 14 051 milhões de euros.

Desde 2009 que as exportações de bens não apresentavam uma variação homóloga negativa. Excluindo Combustíveis e lubrificantes, em 2020 as exportações e as importações decresceram respetivamente 8,9% e 12,6% (+4,4% e +6,8% em 2019).

Em 2020, as exportações e importações de Combustíveis e lubrificantes diminuíram 32,1% e 35,6%,
respetivamente, face ao ano anterior (ver caixa neste destaque), correspondendo à categoria económica com maiores decréscimos relativos no total do ano.

Convém sublinhar que o cenário será muito menos benigno quando se juntar ao comércio internacional de bens o comércio internacional de serviços (que inclui o turismo). Certamente a redução do défice comercial de bens será insusficiente para compensar o colapso do superavite que existia na balança de serviços e que mais do que vinha compensando os défices persistentes na balança de bens.

 

Final do ano de 2020

Por outro lado, é significativo assinalar que o último mês de 2020 revelava já uma queda muito menos acentuada tanto nas importações quanto nas exportações, notando-se uma evolução menos negativa nas importações. Na realidade, em dezembro de 2020:

“(…) as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de -7,8% e -6,9%, respetivamente (-0,2% e -11,9%, pela mesma ordem, em novembro de 2020).

Destacam-se os decréscimos nas exportações e nas importações de Combustíveis e lubrificantes (-45,1% e -32,0%, respetivamente) e de Material de transporte (-20,8% e -16,3%, pela mesma ordem).

Excluindo Combustíveis e lubrificantes, as exportações e as importações diminuíram 3,8% (+2,9% e -8,1%,
respetivamente, em novembro de 2020). “

O ano de 2021 permanece um enorme incógnita, sendo que o primeiro trimestre ameaça ser pouco diferente do que sucedeu em 2020.

Tagged under:

Deixar uma resposta