Taxas de usura para o 4º trimestre de 2020

A partir de 1 de outubro de 2020 haverá novas taxas de usura para o 4º trimestre de 2020. Se tem algum contrato de crédito que seja referido na listagem de taxas de usura, analise como estão a evoluir as taxas de juro máximas aprovadas pelo Banco de Portugal e compare com as que está a pagar no seu cartão de crédito ou contrato de crédito. Se estiver a pagar taxas mais altas considere substituir esse crédito mais caro por outro mais novo. Pode estar a perder dinheiro desnecessariamente.

Note que as taxas máximas revistas trimestralmente não se aplicam automaticamente a todos os contratos mas apenas a novos contratos pelo que, para beneficiar de um eventual movimento descendente, terá de atuar junto da instituição de crédito para procurar um melhor negócio.

Considere todas as hipóteses, incluindo contrair um novo crédito, a uma taxa mais baixa, para pagar um crédito antigo. Veja se tem de pagar alguma penalização por liquidação antecipada e verifique se vale a pena a troca.

 

Taxas de usura para o 4º trimestre de 2020

As taxas de usura divulgadas pelo Banco de Portugal em meados de setembro de 2020 e que se manterão em vigor entre o dia 1 de outubro a 31 de dezembro de 2020 revelam, entre outros uma taxa de juro do crédito pessoal mais alta do que em período homólogo. O dinheiro ficou mais caro desde o 4º trimestre de 2019, em 0,2 pontos percentuais para os créditos pessoais destinados a “Finalidade Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos“.

Para os Outros Créditos Pessoais (sem finalidade específica, lar, consolidado e outras finalidades) a taxa é idêntica há do 4º trimestre de 2019. Note-se contudo que não foi assim durante os restantes trimestres de 2020. De facto, as taxas desceram e voltaram a subir.

Em termos globais, o andamento das taxas foi misto entre o último trimestre de 2019 e o que agora se define, mas predominam os tipos de crédito onde o dinheiro ficou mais barato e têm agora taxas máximas de usura mais baixas.

O caso mais significativo é o do crédito automóvel para a modalidade de “Locação Financeira ou ALD: usados” onde a queda do limite máximo permitido caiu 0,6 pontos percentuais em um ano.

Na tabela em baixo pode analisar as comparações.

 

Tipo de contrato de crédito TAEG máximas
4º Trimestre 2019 1º Trimestre 2020 4º Trimestre 2020 Variação face ao 4º trimestre de 2019
Crédito pessoal Finalidade Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos 6,50% 6,30% 6,70% 0,20%
Outros Créditos Pessoais (sem finalidade específica, lar, consolidado e outras finalidades) 13,40% 13,10% 13,40% 0,00%
Crédito automóvel Locação Financeira ou ALD: novos 4,50% 4,70% 4,10% -0,40%
Locação Financeira ou ALD: usados 5,90% 5,70% 5,30% -0,60%
Com reserva de propriedade e outros: novos 9,50% 9,50% 9,50% 0,00%
Com reserva de propriedade e outros: usados 12,30% 12,20% 12,10% -0,20%
Cartões de crédito, Linhas de crédito, Contas correntes bancárias e Facilidades de descoberto; Ultrapassagem de crédito. 15,70% 15,70% 15,30% -0,40%

Pode encontrar mais informação sobre este tema no sítio do Portal do Cliente Bancário de Banco de Portugal.

 

Tagged under:

1 Comentário

  • JCL Responder

    As taxas de usura deviam ser iguais em toda a Zona Euro, para impedir que o que é usura em outros países da Zona Euro seja cá explorado por instituições financeiras desses países (sobretudo no crédito pessoal que enfiam pela goela abaixo de quem não o pode pagar).

Deixar uma resposta