A próxima depressão: Quais os melhores investimentos para períodos de estagflação?

Em períodos de estagflação, a bolha está nas matérias-primas. Para sair do «crash» bolsista do ano 2000, os bancos centrais aumentaram a oferta monetária, cortaram as taxas de juro para os mínimos das últimas décadas, colocando-as abaixo da taxa de inflação e da taxa de crescimento económico. Tudo isto para

Ler mais

Holmes Place: Elementar, meu caro Watson

By Direito do Consumidor

 [wp_ad_camp_1]Quando há dias me foi oferecida a oportunidade de publicar um artigo no Relações Públicas sobre a presença de entidades e marcas nos motores de busca, o Holmes Place surgiu como o exemplo perfeito de uma empresa que não estando em sintonia com parte dos seus clientes consegue superar as

Ler mais

IRS: menos retenção mensal, menos reembolso em 2009 (Act. 20 JAN2009)

[wp_ad_camp_1]Façamos então um ponto da situação quanto ao IRS 2008/2009  [As tabelas para 2009 estão disponíveis aqui (2ª página)]        [As tabelas de 2008 estão disponíveis]: Progressivamente, ano após ano, o Estado tem vindo a diminuir o valor a reter mensalmente a cada contribuinte em sede de IRS através de uma actualização

Ler mais

Como os supermercados podem criar valor

By Finanças Pessoais

Num mundo cada vez mais de classificações, escalas e tabelas comparativas, a Hannaford, uma cadeia de supermercados implantado no Nordeste dos EUA, está a criar valor para os seus clientes através da adopção da classificação por estrelas a 25500 dos seus produtos: The system that hannaford developed, called Guiding Stars,

Ler mais

Flexisegurança

Que Portugal precisa de um código laboral mais ágil em ambos os sentidos, parece-me evidente, e essa mesma flexibilidade laboral poderá ser vista – e longe dos anatemas sindicais – como uma forma de modernizar o mercado de trabalho. Aliás não é por acaso que em alguns países, a expressão

Ler mais

Sindicatos…

By Finanças Pessoais

A Frente Comum dos Sindicatos da Função Pública, que foi recebida esta manhã pelo Ministro das Finanças, exige que em 2008, os aumentos salariais da função pública sejam de 5,8% e que cada funcionário público seja aumentado no mínimo em 50 euros. Uma brincadeira, que custaria pelo menos 480 milhões de euros.

Ler mais