“O Estado e os Reguladores existem para servirem os Bancos”

E se começarmos a dar mais atenção às notícias que vêm de fora e que, na prática, condicionarão a nossa vida dentro de portas? Espreitemos os EUA. Imaginem que têm uma narrativa favorita que não se ajusta aos factos e imaginem que têm muito dinheiro e uma dose colossal de poder político e mediático. A tentação para negar as evidências e reescrever a história de modo a ajustá-la à narrativa de sempre é elevada. Por outras palavras, tudo depende dos escrupulos que (não) se têm e, claro, da capacidade crítica ou da ausência dela por parte do público.

Segundo Paul Krugman, prémio nobel da economia e reputado articulista liberal (na acepção americana do termo), é precisamente isso que o Partido Republicano está a fazer nos EUA recusando qualquer vestígio de esforço de aprendizagem com a crise financeira que desencadeou a situação actual. Numa das suas últimas crónicas no New York Times onde relata, entre outros, os afazeres de uma comissão de inquérito bipartidária que tinha a responsabilidade de identificar as causas da crise, refere que os membros republicanos da referida comissão se recusam a aceitar que termos como “desregulação”, “Wall Street”, “shadow banking”, e “interconnection” possam constar do relatório final.  Krugman que esperava, nos tempos das reacções mais ingénuas à crise financeira, que todo retirassem lições sobre o modus operandi do sistema financeiro instalado conclui agora de outra forma:

” (…) Last week, Spencer Bachus, the incoming G.O.P. [Partido Republicano] chairman of the House Financial Services Committee [futuro presidnete da Comissão permanente sobre serviços financeiros no Congresso Norte Americano], told The Birmingham News that “in Washington, the view is that the banks are to be regulated, and my view is that Washington and the regulators are there to serve the banks.

He later tried to walk the remark back, but there’s no question that he and his colleagues will do everything they can to block effective regulation of the people and institutions responsible for the economic nightmare of recent years. So they need a cover story saying that it was all the government’s fault.

In the end, those of us who expected the crisis to provide a teachable moment were right, but not in the way we expected. Never mind relearning the case for bank regulation; what we learned, instead, is what happens when an ideology backed by vast wealth and immense power confronts inconvenient facts. And the answer is, the facts lose.”

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.