Histórico deste Autor: RCB

E se nem toda a formação do mundo o salvar do desemprego? (Banco de Inglaterra)

E se nem toda a formação do mundo o salvar do desemprego? Sob o pretexto da primeira revolução industrial, há mais de 200 anos que a humanidade lida de forma mais consciente com a dialética entre homem e máquina no seio da atividade económica. Uma das primeiras reações – o movimento ludita –  há cerca de

Editorial: Nós, europeus

Só com muito coragem e com muito desespero – ou uma necessidade imperiosa de encontrar esperança – se compreende (de fora) esta votação hoje do povo grego em que o “Não” terá ganho com larga margem. Inquestionável. Bem sonora ainda que num contexto o roçar o surreal e o absurdo, em termos políticos. Os próximos

Yield das obrigações do tesouro a 10 anos subiu quase 80% em menos de dois meses

Em menos de 2 meses a yield das Obrigações do Tesouro a 10 anos (taxa de juro implícita) subiu quase 80% passando dos mínimos históricos em torno dos 1,6% para cerca de 2,85% sem que nada de significativo se tivesse passado internamente. Muito provavelmente este andamento estará relacionado com a imensa incerteza em torno do

Um obrigacionista é igual a um depositante?

[Opinião] Agora que se conhecem mais detalhes da operação de resgate com recursos públicos ao banco BES e à modalidade adotada que é, aliás, próxima da aplicada na Suécia há cerca de 20 anos, surgem os primeiros motivos para reflexão. Esta divisão entre acionistas e obrigacionistas com dívida subordinada para um lado (ficando com a

INE está a recrutar nove técnicos superiores

O INE está a recrutar nove técnicos superiores de estatística para vários departamentos. Os contratos são internos à função pública e recaem preferencialmente sobre pessoas com formação em economia, gestão, estatística ou matemática aplicada à economia e à gestão.  Recorde-se que o prazo de candidatura é curto (10 dias após publicação em Diário da República).

Até que idade pode ir o aumento da idade da reforma?

Hoje temos notícia de que um dos comissários europeus, o alemão Günther Oettinger responsável pelas matérias de energia, defendeu que a idade da reforma no seu país deveria aumentar até aos 70 anos invocando como justificações o aumento da esperança de vida e a situação de pleno emprego em áreas especializadas, ou seja, a falta

Bolsa de valores

Juros da dívida portuguesa nunca foram tão baixos a 2 e a 5 anos

Opinião: Sim, a dívida pública provavelmente nunca foi tão alta; Sim, a dívida privada é muito superior à dívida pública e está a diminuir muito lentamente; Sim, o crescimento económico recente foi acompanhado de um reforço do consumo privado, das importações e uma desaceleração das exportações; Sim, o país continua a apresentar défice orçamental acumulando

RSI: duas famílias gémeas, tratamentos diferentes

Imagine duas famílias gémeas. Dois adultos, duas crianças das mesmas idades, que andam nas mesmas escolas. Os adultos têm os mesmos empregos, ordenados, despesas fixas obrigatórias. Imagine que foram todos despedidos num despedimento coletivo há pouco mais de 3 anos. Imagine que durante as respetivas carreiras a família A sempre poupou uma parte do rendimento

Menos de 1 em cada 100 beneficiários que perdeu o RSI teria €100.000 no banco

“O senhor [deputado socialista Pedro Marques] diz que uma série de pessoas saíram do RSI, esquece-se de dizer que essas pessoas deixaram de ter rendimento mínimo porque, por acaso, tinham mais de 100 mil euros na conta bancária” Paulo Portas, Vice-Primeiro Ministro, março de 2014 Com a investigação feita pelo  Diário de Notícias sabe-se agora

Desmontando frases feitas

Portugal: “the star pupil of the euro-zone” pelo Wall Street Journal

Opinião: Hoje somos “the star pupil of the euro-zone” no Wall Street Journal (WSJ). Mas tragicamente, nos quatro últimos parágrafos, a coisa parece racionalmente algo desconjuntada. Para o The Wall Street Journal (Simon Nixon), o Tribunal Constitucional (TC) toma partido aliando-se à oposição e as declarações de inconstitucionalidade tornam o processo de ajustamento “much harder“,

Bank of England

São os empréstimos que criam depósitos e não o contrário (Banco de Inglaterra)

Tenha ou não formação em economia esta discussão interessa-lhe. Desafiamo-lo a investir alguns minutos neste artigo e a partilhar connosco eventuais perplexidades. É do senso comum que um banco capta depósitos, paga um juro para depois emprestar esse dinheiro a um juro superior, por exemplo, a alguém que queira montar ou alargar uma empresa ou

Multidão

Novo objetivo: alinhar indemnizações por despedimentos legais e ilegais

Alinhar progressivamente o valor das indemnizações por despedimento quando este é legalmente justificado e quando este é um ato ilegal parece ser um novo objetivo de política económica (segundo a TSF) a ser perseguido pelo poder político. Na prática, apesar de se continuar a respeitar formalmente as justificações de despedimento, ao se eliminarem as penalizações

Habitação, Casa

É legal um senhorio exigir o IRS a um potencial inquilino?

É legal um senhorio exigir o IRS? Acordei com a notícia de que há um número crescente de potenciais senhorios a exigir aos potenciais inquilinos que estes revelem informação financeira, nomeadamente a nota de liquidação do IRS, para que seja possível um simulacro de avaliação de risco de incumprimento. O objetivo dos senhorios será avaliar

Crise

Cuidado! Há outra “alternativa” que está a surgir entre os credores europeus

A jornalista Eva Gaspar, do Negócios, hoje pega num tema que já aqui abordámos no artigo “Bundesbank: e se usássemos os depósitos a prazo para pagar a dívida pública?” e que, de certa forma pode ser uma sequência ao artigo ontem aqui publicado “O FMI e a mosca sem asas com problemas de audição” No

Recursos Humanos

O que distingue a discriminação presente num PIN de um tribunal especial para grandes investidores?

Tanto no caso dos PIN + (Projetos de Potencial Interesse Nacional +) como numa proposta de criação de um tribunal especial para grandes investimentos (visando em particular grandes investimentos estrangeiros) há uma constante evidente: privilegiar um grupo específico. E quando se privilegia um grupo, num mercado concorrencial, está-se inevitavelmente a introduzir uma desvantagem para quem

Crise

Bundesbank: e se usássemos os depósitos a prazo para pagar a dívida pública?

O Bundesbank – banco central alemão – defendeu recentemente que uma forma muito menos dolorosa de se conseguir trazer a dívida  pública dos países mais endividados para um nível que lhes permitisse encarar o futuro sem a perpetiva sombria de que a dívida é tão elevada que qualquer ganho na economia será imediatamente sorvido pelos

Top