Linha da Beira Baixa completa em 2018

O comboio vai regressar à cidade da Guarda através de uma ligação à linha da Beira Baixa em finais de 2018. Além de se reestabelecer o troço de linha entre a Covilhã é a Guarda, o caderno de encargos da obra a iniciar-se em 2017 deverá ainda incluir uma ligação adicional à linha da Beira Alta (e a Espanha).

 

Ligação entre a Covilhã e a Guarda nove anos depois

Quando a ligação ferroviária com a abertura prevista para o final de 2018 for retomada deverão ter passado nove anos desde o encerramento da ligação em março de 2009. Poder-se-á então dizer que a Linha da Beira Baixa completa em 2018, novamente. Desde 2009 apenas se renovou o troço entre Caria e Belmonte, o mais simples de concretizar por não ser salpicado pelas várias obras de arte (aproximadamente duas dezenas, entre pontes e tuneis) que caracterizam os pouco mais de 46 quilómetro de trajeto pelas encostas junto ao maciço da Serra da Estrela por onde serpenteia o rio Zêzere.

Com a ligação à Guarda e o reforço da ligação à fronteira espanhola fica garantido um trajeto mais curto, potencialmente mais rápido, em ferrovia entre Lisboa e a Europa, contribuindo para o descongestionamento da Linha do Norte e Linha da Beira Alta. Permitirá ainda maior ousadia nas necessárias obras na Linha da beira Alta dado que passará a haver uma alternativa para o tráfego internacional, fiável, durante o período em que a linha da Beira Alta tenha de ser encerrada para obras. Fica também garantida a ligação potencial por ferrovia entre três capitais de distrito da zona da Serra da Estrela – Castelo Branco, Guarda e Viseu – sem esquecer a cidade da Covilhã que tem revelado especial dinamismo na última década, após vários anos de maiores dificuldades de desenvolvimento.

A consubstanciar o investimento público, destaca-se a Portaria n.º 542-A/2016 dos ministérios das Finanças e do Planeamento e das Infraestruturas que veio definir que “Autoriza a Infraestruturas de Portugal, S. A., a proceder à repartição de Encargos relativos ao contrato da Linha da Beira Baixa – Troço Covilhã/Guarda – «Empreitada Geral de Modernização do Troço Covilhã/Guarda – Trabalhos de Construção civil, Via e Catenária, Pontes e RCT+TP»

O investimento de base previsto é de €65 milhões e deverá estender-se por três exercícios económicos: 2017, 2018 e 2019 (sendo o investimento previsto para 2019 residual). E segundo se pode ler o sítio da Infraestrutura de Portugal:

“O projeto compreende atuações ao nível da via, das terraplenagens e drenagens, das estações e das passagens de nível, instalação de sinalização eletrónica e telecomunicações e eletrificação, dotando toda a Linha da Beira Baixa de novas condições de exploração. “

A linha em causa é particularmente desafiante do ponto de vista da urografia, envolvendo a necessidade de reparação de várias pontes e, provavelmente, algum reforço da encosta, entre outros.

 

Linha da Beira Baixa – Covilhã Guarda

A linha da Beira Baixa compreende cerca de 240 quilómetros de extensão que se iniciam no Entroncamento e se estendem até à Guarda. Foi inaugurada em três troços, o primeiro em 1862 (Entroncamento-Abrantes), o segundo em 1891 (entre Abrantes e Covilhã) e o terceiro, entre a Covilhã e a Guarda em 1893.

A linha da Beira-baixa encontra-se presentemente eletrificada (totalmente, até à Covilhã, desde 2011) e em operação até à cidade da Covilhã, devendo a modernização da linha até à Guarda estar concluída até 2018. É possível utilizar o serviço Intercidades com paragem nas cidades servidas pela linha e o serviço regional que tem paragem em todas as estações a apeadeiros.

Sobre a linha da Beira Baixa deixamos ainda um vídeo do Jornal Reconquista, sobre os 125 anos da linha que se celebram em 2016.

 

GOSTOU DO QUE LEU?
Então não perca nenhum dos nossos artigos.
Receba um EMAIL diário com os resumos:

.