O que é o Imposto sobre as Transações Financeiras?

[wp_ad_camp_1] O Imposto sobre as Transações Financeiras (ITF) é a concretização prática de uma ideia com algumas décadas com raízes na taxa proposta por James Tobin (a taxa Tobin). A ideia fundamental é aplicar uma pequena taxa sobre as transações financeiras internacionais com o fito de penalizar comportamentos especulativos e/ou financiar os custos sistémicos com impacto no sistema bancário, financeiro e na economia real (provenientes da tomada de riscos financeiros) bem como colocar o sistema financeiro a contribuir de forma mais expressiva para o financiamento público. Ou, nas palavras da Comissão:

“(…) O ITF tem três objetivos principais. Em primeiro lugar, visa reforçar o mercado único, reduzindo para o efeito o número de abordagens nacionais divergentes em matéria de tributação das transações financeiras. Em segundo lugar, pretende garantir que o setor financeiro dê um contributo justo e substancial para as receitas públicas. Por último, o ITF virá apoiar as medidas normativas destinadas a incentivar o setor financeiro a realizar atividades mais responsáveis, orientadas para a economia real. (…)”

À data, houve 11 estados na União Europeia que acordaram por princípio implementar o Imposto sobre as Transações Financeiras, recorrendo ao mecanismo de cooperação reforçada, através do qual, mesmo não havendo um consenso alargado a todos os estados membro, é possível desenvolver medidas com efeito localizado aos espaços económicos dos países subscritores. No caso, a Comissão Europeia veio propor recentemente a aplicação de taxas de 0,1% às ações e obrigações e de 0,01% aos produtos derivados.

As receitas estimadas poderão ascender a 30 mil milhões de euros segundo caso se confirmem as estimativas realizadas pelas Comissão Europeia e pelos países signatários.

Sublinhe-se que o ITF será devido desde que pelo menos uma das partes num negócio seja residente (ou esteja a agir por conta de um residente) em qualquer um dos 11 países, não relevando o local onde se concretiza o negócio.  Por outro lado:

“(…) Com garantia suplementar contra a evasão fiscal, a proposta de hoje introduz igualmente o «princípio da emissão». Ao abrigo deste princípio, os instrumentos financeiros emitidos nos 11 Estados-Membros serão tributados aquando da sua transação, mesmo que quem os transacione não esteja estabelecido na zona ITF. Além disso, a proposta inclui ainda disposições explícitas contra o abuso. [Como isto será implementado na prática de modo a ser eficaz?]

Tal como na proposta inicial, o ITF não se aplicará às atividades financeiras quotidianas dos cidadãos e das empresas (por exemplo, empréstimos, pagamentos, seguros, depósitos, etc.), a fim de proteger a economia real. Também não se aplicará às atividades tradicionais dos bancos de investimento no contexto da angariação de capital, nem às transações financeiras realizadas no âmbito de operações de reestruturação.

A proposta exclui ainda as atividades inerentes ao refinanciamento, à política monetária e à gestão da dívida pública. Por conseguinte, estarão isentas de imposto as transações com os bancos centrais e o BCE, com o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira e o Mecanismo Europeu de Estabilidade, e as transações com a União Europeia. (…)”

Sobre este tema ler o comunicado da Comissão Europeia: Imposto sobre as transações financeiras no âmbito da cooperação reforçada: Comissão estabelece os elementos específicos do qual ainda destacamos o seguinte parágrafo:

“(…) Próximas etapas

A proposta de diretiva será agora debatida pelos Estados-Membros, com vista à sua aplicação ao abrigo da cooperação reforçada. Todos os 27 Estados-Membros podem participar nos debates sobre esta proposta. No entanto, só os Estados-Membros que participam na cooperação reforçada terão direito de voto, e a proposta deve ser aprovada por unanimidade para que possa ser aplicada. O Parlamento Europeu será também consultado.(…)”

Muitas questões permanecem ainda em aberto sobre este tema.

GOSTOU DO QUE LEU?
Então não perca nenhum dos nossos artigos.
Receba um EMAIL diário com os resumos:


Artigos Relacionados

Um comentário;

  1. SENHOR SIMOES said:

    grao a grao, enche a galinha, o papo…
    ACHO BEM.
    MAS, os valores cobrados, nas operações, devem estabelizar, entre os Estados Europeus, assim como os Dividendos, deverão ser Taxados uma ùnica vez !!!

Top