Produto Interno Bruto per capita na União Europeia em… 2004 (actualizado)

União EuropeiaO estudo de que se fala (melhor será chamar-lhe "colecção de estatísticas"), divulgado dia 19 de Fevereiro de 2007 pelo Eurostat e amplamente referido pela comunicação social portuguesa, pode ser lido na íntegra na própria página do Eurostat (siga esta ligação – texto em inglês).

Para já, além de sublinhar o ano a que se referem os dados, 2004, (e só o sublinho porque me passou despercebido em algumas das notícias televisivas que vi) acrescento, pela positiva, que se baseia em dados convertidos para paridades de poder de compra (o que reduz grandemente as desvantagens de comparações internacionais). Acrecento ainda, pela negativa, que não passa de um indicador isolado e, como tal, particularmente vulnerável a utilizações abusivas e erróneas.

Infelizmente não estou em condições para comentar com maior detalhe a metodologia utilizada que, aliás, estando identificada na divulgação do Eurostat não me parece de fácil acesso. Contudo, fico desde já de pé atrás com a ambição de tal estudo: estatísticas com dados do produto interno bruto, regional, para toda a actual União Europeia, corrigidas de paridades de poder de compra (PPC) e apuradas per capita relativas a 2004… Admitindo que as PPC sejam uma dificuldade controlável e largamente contornável (até pelo trabalho duradouro e persistente que vem sendo feito à escala da OCDE e do FMI com intervenção directa dos vários INE Nacionais) sobram-me perguntas, provavelmente ingénuas, a que tentarei responder se me for possível, no futuro próximo.

Ressalto apenas um breve alerta deixado no corpo do artigo do Eurostat chamando a atenção para a vulnerabilidade dos apuramentos perante a existência de movimentos pendulares de indivíduos entre as várias regiões: um indivíduo que declare residir por hipótese em Torres Vedras (NUT II Centro),  e que vá produzir valor acrescentado a Mafra, ou Sintra ou mesmo Lisboa (NUT II Lisboa), estará a enviesar os resultados das diferentes NUT II por onde circula. O mesmo se aplica a quem resida em Abrantes (NUT II Centro) e vá trabalhar a Santarém (NUT II Alentejo), e vice-versa.

Isto já para não falar da heterogeneidade na composição, dimensão, envolvência e dos próprios ajustamentos geográficos relativamente frequentes das NUT II definidas a nível europeu – em Portugal, desde Maio de 2002, a NUT III Lezíria do Tejo (Santarém, etc) passou a integrar a NUT II do Alentejo, abandonando e contribuindo para o maior enriquecimento relativo da anterior NUT II de Lisboa e Vale do Tejo que se passou a designar simplesmente NUT II Lisboa, por exemplo…). 

Talvez sejam resultados preliminares, talvez o Eurostat tenha tido a necessidade de formular hipóteses para colmatar algumas lacunas dos seus fornecedores de dados nacionais (os respectivos INE)… O INE tem de facto estatística regionais, mas sublinho que divulgou apenas muito recentemente a informação definitiva relativa ao PIB Nacional de 2003

Sendo sempre um número interessante, que aliás é recorrentemente divulgado pelo Eurostat (pelo menos desde 2002), e sendo mesmo (se não estou em erro) utilizado para definir quem é suficientemente pobre para aceder aos fundos de coesão, recomendaria cautelas e caldos de galinha se o objectivo é informar, mais do que encontrar uma fasquia largamente arbitrária de hierarquização. E recomendo as cautelas, também tendo em conta: o alarido posto na notícia e o fraco enquadramento e a total inexistência de indicações de ter havido algum espírito crítico face aos números apresentados. De forma alguma esta informação compilada pelo Eurostat substitui uma análise encorparada da economia regional, muito menos serve de bom conselheiro para a definição de política económica regional per si ou sequer de bom avaliador da política económica passada. Isso posso desde já defender sem hesitações e só conhecendo o caso português.

RECEBA O 'ECONOMIA E FINANÇAS' POR EMAIL
Clique aqui e subscreva o resumo diário.

Top